Proteína humana combate inflamação intestinal

Estudo publicado na “Science Translational Medicine review”

12 novembro 2012
  |  Partilhar:

Investigadores franceses conseguiram combater a inflamação intestinal com uma proteína humana. Esta descoberta publicada na “Science Translational Medicine review” poderá ser especialmente útil para os indivíduos que sofrem de doença inflamatória intestinal, que inclui a doença de Crohn e colite ulcerosa.
 

Os investigadores têm apostado em diferentes vias para tentar explicar a origem das doenças inflamatórias intestinais, nomeadamente através do papel dos fatores genéticos e ambientais. A flora intestinal também parece desempenhar um papel importante no desenvolvimento da inflamação, contudo ainda pouco se sabe. Desta forma a identificação de um tratamento eficaz é algo que a comunidade científica tem por objetivo.
 

Neste estudo os investigadores do Inserm and Inra, em França, decidiram centrar a sua atenção numa proteína anti-inflamatória, a elafina. Apesar de esta proteína estra presente nos intestinos das pessoas saudáveis, para as proteger contra possíveis ataques, esta encontra-se ausente nos pacientes com doença inflamatória intestinal.
 

Assim, os investigadores colocaram a hipótese de que a administração direta da elafina no intestino poder conferir proteção contra a inflamação, restaurando o equilíbrio da flora intestinal e a sua função.
 

Para testar esta hipótese os investigadores utilizaram bactérias não patogénicas, que habitam naturalmente o trato intestinal, tendo-as modificado geneticamente para que estas fossem capazes de produzir a proteína. O gene da elafina foi então introduzido em duas bactérias que estão habitualmente presentes nos produtos alimentares, a Lactococcus lacti e a Lactobacillus casei.
 

O estudo apurou que administração destas bactérias a ratinhos, com inflamação crónica ou aguda, conseguir proteger os intestinos dos animais e reduzir os sintomas de inflamação. Experiências realizadas em linhas celulares de células do intestino humano conduziram a resultados semelhantes.
 

Na opinião dos autores do estudo, a elafina poderá ser deste modo administrada através da utilização de bactérias probióticas, habitualmente encontradas nos iogurtes, queijos, etc, para proteger os pacientes com doença inflamatória intestinal dos sintomas de inflamação.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 4
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.