Projeto sobre doença de Gaucher premiado com bolsa de investigação

“Gaucher Generation Awards Program” de 2014

08 maio 2015
  |  Partilhar:
A investigadora e professora da Seção Autónoma de Ciências da Saúde da Universidade de Aveiro, Fátima Macedo, que está a desenvolver um projeto sobre a doença de Gaucher no Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC) foi premiada com uma bolsa de investigação no valor de 140 mil dólares. 
 
O prémio faz parte do “Gaucher Generation Awards Program” de 2014, um programa anual que visa distinguir projetos de investigação sobre doença de Gaucher, uma doença rara que afeta uma em cada 100 mil pessoas.
 
O projeto premiado intitula-se “Characterization of glucosylceramide specific invariant Natural Killer T cells and B lymphocytes in Gaucher Disease: implications in disease pathology” e tem como objetivo compreender as consequências da acumulação do lípido glucosilceramida em doentes com doença de Gaucher no sistema imunitário, mais especificamente em linfócitos T específicos para lípidos e em linfócitos B. 
 
É expectável que este trabalho contribua para uma melhor compreensão do risco acrescido que estes doentes têm de desenvolver mieloma e linfoma do tipo B, bem como aprofundar o conhecimento do efeito do tratamento para a Doença de Gaucher sobre o sistema imunitário.
 
Fátima Macedo, a investigadora premiada, em nota de imprensa enviada à Alert, afirma que “o facto de ser um prémio internacional atribuído pela segunda vez consecutiva a investigadores a trabalhar em Portugal realça a qualidade da investigação realizada no nosso país.”
 
O programa “Gaucher Generation Awards” da Genzyme financia projetos de investigadores de todo mundo com o objetivo de estimular e apoiar o desenvolvimento do conhecimento médico sobre esta patologia.
 
A doença de Gaucher é a mais comum do grupo das doenças lisossomais de sobrecarga. As manifestações clínicas desta patologia apresentam-se ao nível do sangue, órgãos internos (especialmente fígado e baço) e ossos, podendo ocorrer em qualquer idade. Divide-se em 3 tipos principais: o tipo 1 é o único que não tem alterações neurológicas; o tipo 2 tem uma forma neuropática aguda grave que surge na criança; e o tipo 3, com uma forma neuropática crónica, é uma doença inflamatória crónica e multissistémica.
 
O estudo genético das pessoas com esta doença tem especial importância para o rastreio e aconselhamento das famílias.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.