Privação de sono conduz a uma maior ingestão de calorias

Estudo publicado no “European Journal of Clinical Nutrition”

04 novembro 2016
  |  Partilhar:
A privação do sono pode fazer com que as pessoas ingiram mais calorias no dia seguinte, sugere um estudo de revisão publicado no “European Journal of Clinical Nutrition”.
 
O estudo, liderado pelos investigadores do King's College London, no Reino Unido, combinou os resultados de 11 estudos anteriores nos quais participaram 172 indivíduos. A análise incluiu estudos que compararam intervenções em que houve restrições parciais do sono e respetivos controlos, tendo sido medido o consumo de energia ao longo de 24 horas.
 
Os indivíduos que foram privados do sono dormiram entre três horas e meia a cinco horas e meia por noite. Os que participantes incluídos no grupo de controlo permaneceram entre sete a 12 horas na cama.
 
O estudo apurou que a privação parcial do sono não teve um efeito significativo na quantidade de energia que os indivíduos despendiam nas 24 horas subsequentes. No entanto, como permaneciam mais tempo acordados, estes indivíduos tendiam a comer mais, ingerindo, em média, 385 calorias adicionais por dia.
 
Os investigadores também verificaram pequenas alterações no que os indivíduos privados de sono comiam. Estes participantes consumiam maiores quantidades de gordura e menores quantidade de proteína. Não foram observadas alterações relativamente ao consumo de hidratos de carbono.
 
Gerda Pot, uma das autoras do estudo, referiu que uma das causas principais da obesidade está relacionada com o desequilíbrio entre o consumo e gasto de calorias. Este estudo comprova mais uma vez que a privação do sono pode contribuir para este desequilíbrio.
 
A investigadora refere que a privação do sono é um dos fatores de risco mais comuns e potencialmente modificáveis da sociedade atual, na qual a perda crónica de sono se está a tornar algo muito habitual. Na sua opinião são necessários mais estudos para averiguar a importância da privação parcial do sono ao longo prazo como um fator de risco para a obesidade e como a extensão do sono pode desempenhar um papel importante na prevenção da obesidade.
 
Um estudo anterior que envolveu 26 adultos apurou que a privação do sono conduzia a uma maior ativação de áreas do cérebro envolvidas na recompensa quando as pessoas estão expostas a alimentos. 
 
A maior motivação para procurar comida pode ser uma explicação para o maior consumo de alimentos observado nos indivíduos com privação de sono. Outras explicações possíveis incluem a interrupção do relógio interno do corpo que afeta a regulação da leptina, a hormona da saciedade, e a grelina, a hormona da fome.
 
Haya Al Khatib, a líder do estudo, concluiu que estes resultados chamam a atenção para a importância do sono como um terceiro fator, para além da dieta e do exercício, para atingir o controlo do peso de uma forma mais eficaz.
 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar