Prevenção do cancro do intestino avança nos países ocidentais

Incidência do cancro do cólon continua a aumentar nestes países

07 fevereiro 2001
  |  Partilhar:

Nos países com um estilo de vida ocidental, cerca de metade das mortes são causadas por doenças cardio-circulatórias e um quarto por cancro.
 

O cancro do intestino grosso (cancro do cólon) é um dos cancros que ocasiona maior número de falecimentos na população.
 

O cancro do intestino grosso apresenta, actualmente, uma taxa de mortalidade das mais elevadas no nosso País. Segundo os últimos dados disponíveis da Organização Mundial de Saúde (OMS), referentes a 1998, este cancro provocou a morte de 2754 portugueses, número só acompanhado pelos cancros do pulmão e estômago.
 

Ao contrário do que acontece com outros tumores malignos, a incidência de cancro colo-rectal continua a aumentar em países ocidentais. Também de acordo com as estatísticas da OMS, a taxa de mortalidade do cancro do estômago no nosso país tem apresentado uma diminuição paulatina ao longo dos últimos anos.
 

 

A prevenção é eficaz
 

 

Os estudos científicos demonstram que a taxa de sobrevivência dos doentes é muito variável, dependendo em larga medida do grau de progressão da doença aquando do diagnóstico e, consequentemente, da fase em que se procede ao tratamento.
 

Por outro lado, a endoscopia digestiva permite identificar e remover as lesões pré-cancerosas, os denominados pólipos do intestino grosso. Dessa forma consegue-se evitar a progressão destas lesões, inicialmente benignas, para cancro. Como afirmou recentemente um conceituado especialista português sobre este tópico: A remoção endoscópica dos pólipos do intestino é a atitude médica mais eficaz no que se refere à prevenção de qualquer cancro – mas tem sido, também, o “segredo” mais bem guardado!...
 

 

Sensibilização para a prevenção
 

 

Conscientes destes factos, as sociedades científicas dos países ocidentais têm promovido múltiplas iniciativas no sentido de sensibilizar a população e as instituições governamentais para a importância deste problema e a existência de soluções disponíveis.
 

Em Portugal, a Sociedade Portuguesa de Endoscopia Digestiva tem levado a cabo, sob os auspícios da European Society of Gastrointestinal Endoscopy, uma campanha de prevenção e diagnóstico precoce do cancro colo-rectal.
 

 

Quem deve fazer rastreio do cancro do intestino?
 

 

Rastreio na população geral
 

Um dos testes possíveis é a pesquisa de sangue oculto nas fezes, devendo realizar-se anualmente. Apesar de barata, esta análise enfrenta problemas de baixa sensibilidade e especificidade. Caso o resultado seja positivo, deverá ser realizada uma colonoscopia.
 

Em alternativa, tem sido preconizada a realização duma pansigmoidoscopia de 5 em 5 anos, método que parece ser mais eficaz do que a pesquisa de sangue oculto nas fezes.
 

Alguns especialistas aconselham que se realize uma colonoscopia (exame a todo o intestino grosso) em vez da pansigmoidoscopia – exame que apenas permite a observação da parte final do intestino grosso - “Como tem sido referido por muitos, confiar numa pansigmoidoscopia é tão ilógico como realizar mamografia apenas a um dos seios, no rastreio do cancro da mama” afirma o Dr. David Ransohoff, líder duma equipa de investigadores norte-americanos que publicou recentemente um estudo sobre esta matéria na conceituada revista científica “Gut”.
 

 

Rastreio em indivíduos de risco elevado
 

Nas pessoas com um parente de 1º grau com cancro colo-rectal diagnosticado acima dos 50 anos, ou com adenomas do intestino grosso, a realização de pansigmoidoscopia (ou colonoscopia), de 5 em 5 anos, deve iniciar-se aos 40 anos de idade.
 

No caso de indivíduos com dois parentes afectados por esta doença, ou com um parente mas no qual o diagnóstico tenha sido feito antes dos 50 anos, deverá ser realizada, necessariamente, uma colonoscopia (de 5 em 5 anos) a partir dos 40 anos de idade.
 

 

Dr. J. Pina Cabral
 

 

Gastrentologista

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.