Preparado ayahuasca pode ajudar a combater doenças

Debate dinamizado no 12º Simpósio da Fundação Bial

11 abril 2018
  |  Partilhar:
A ayahuasca, uma preparação tradicional à base de duas plantas, originária da América do Sul e cujo consumo é ilegal em Portugal, tem potencial terapêutico muito alargado, foi referido num simpósio.
 
Segundo apurou a agência Lusa, os especialistas Olga Silva e Mário Simões apresentaram no 12.º Simpósio da Fundação Bial, num debate sobre a "Ayahuasca como estimulador da mente - o conhecimento e potencial", o conjunto dos estudos científicos efetuados até ao momento "apontam para um espetro de aplicação terapêutica que inclui doenças tão díspares como as oncológicas, neurodegenerativas e psiquiátricas".
 
Mário Simões invocou a necessidade de "estudos científicos adequados que permitam verificar a sua qualidade, modo de ação e segurança".
 
Olga Silva referiu que esta preparação à base de plantas "contém uma variedade de metabolitos secundários que vão para além da dimetiltriptamina, princípio ativo da ayahuasca, e dos alcaloides beta-carbonílicos".
 
Segundo Olga Silva, na década de 1980, a indústria farmacêutica norte-americana "fez tentativas de desenvolvimento de formulação", mas deparou-se-lhe um problema quando a tentou "patentear sem atender aos interesses da população local".
 
E com a "formulação a só poder ser desenvolvida com a integração dos conhecedores, depressa os promotores dos EUA perceberam que em termos económicos tinha um interesse relativo" facto que, segundo a especialista, ajuda a explicar o porquê de hoje a ayahuasca continuar sem "ser encontrada na medicina convencional".
 
Contrariando a lógica comercial da indústria farmacêutica, Mário Simões disse "existirem dados que levam a dizer que há bons resultados clínicos, divulgados em publicações científicas credíveis, em depressões resistentes à terapêutica, em adições, como a dependência da heroína, da cocaína e até do álcool".
 
E prosseguiu: "hoje começa a haver estudos em animais relacionados com a doença de Parkinson, podendo também esta preparação ser um auxiliar de psicoterapias".
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar