Prémio Descartes 2002 distingue trabalhos de saúde e astrofísica

Estudo sobre esclerose múltipla é galardoado

06 dezembro 2002
  |  Partilhar:

 

O Prémio Descartes, que promove a colaboração científica europeia, foi atribuído a dois trabalhos de investigação, um na área da esclerose múltipla e outro sobre a origem das explosões de raios gama.
 

 

Os vencedores do Prémio Descartes 2002, no valor de um milhão de euros (cerca de 200 mil contos), foi ontem conhecido, numa cerimónia realizada na Agência Europeia de Patentes (EPO, sigla em inglês), em Munique (Alemanha).
 

 

O objectivo deste galardão atribuído pela Comissão Europeia, que vai já na sua terceira edição, é promover a investigação no espaço comunitário resultante de uma cooperação transnacional.
 

 

Metade do prémio, 500 mil euros, foi para um projecto de investigação sobre a esclerose múltipla, uma doença degenerativa inflamatória crónica que atinge o sistema nervoso e afecta, pelo menos, 350.000 pessoas na Europa.
 

 

O projecto, liderado por Lars Fugger da Universidade do Hospital de Aarhus (Copenhaga), em cooperação com outros investigadores da Dinamarca, Suécia, Reino Unido e Estados Unidos, "avançou significativamente na compreensão da base imunológica da doença e forneceu pistas importantes para o desenvolvimento de novos medicamentos".
 

 

Segundo o comunicado da Comissão Europeia, "através das suas experiências, a equipa definiu os principais actores do ataque auto-imune e explicou como o vírus desencadeia a doença".
 

 

O outro projecto galardoado com o prémio Descartes, também com 500.000 euros, investigou as origens das Explosões de Raios Gama (GRB, sigla em inglês).
 

 

Liderado por Edward Van den Heuvel da Universidade de Amesterdão, em colaboração com cientistas da Holanda, Itália, Dinamarca, Espanha, Reino Unido e Alemanha, este trabalho realizou importantes progressos na compreensão destas explosões estelares gigantes.
 

 

Estas descobertas poderão ajudar os astrónomos a traçar a história da formação das estrelas no Universo.
 

Graças ao satélite BeppoSAX (um projecto conjunto entre Itália e Holanda), a equipa de cientistas resolveu aquilo que era um dos grandes mistérios da astrofísica dos últimos 30 anos: os locais de origem das GRB.
 

 

Este projecto forneceu ainda, pela primeira vez, a confirmação de que as explosões de raios gama são as mais potentes do Universo.
 

 

"A alta qualidade dos projectos candidatos demonstrou tanto a excelência da ciência europeia actual como o valor da cooperação no campo científico", afirmou, durante a cerimónia de atribuição dos prémios, o comissário europeu para a Investigação, Philippe Busquin.
 

 

O tema da cerimónia deste ano foi a propriedade intelectual, tendo os especialistas presentes sublinhado a importância deste assunto para os investigadores europeus.
 

 

"As patentes são a única forma de os investigadores protegerem as suas descobertas e explorarem-nas comercialmente para benefício da sociedade", explicou Pantelis Kyriakides, vice- presidente da EPO.
 

 

O processo de candidaturas ao Prémio Descartes 2003 já está a decorrer, e informações sobre esta matéria podem ser encontradas na Internet em http://www.cordis.lu/descartes.
 

 

Paralelamente ao prémio Descartes, foram também anunciados em Munique os vencedores do galardão Arquimedes, um prémio europeu para estudantes universitários e destinado a estimular o interesse dos jovens na ciência e investigação.
 

 

Foram distinguidos 20 projectos, envolvendo 25 alunos da Dinamarca, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Itália, Polónia, Roménia, Eslovénia, Suécia e Reino Unido, que receberão prémios entre 44.000 e 34.000 euros.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.