Portugal tem falhado no rastreio ao Cancro Colo do Útero

Alerta da Associação para o Planeamento da Família

06 outubro 2007
  |  Partilhar:

 

A Associação para o Planeamento da Família (APF) alerta para o facto de Portugal estar a falhar no rastreio ao Cancro do Colo do Útero, com excepção da zona Centro do país, que tem conseguido bons resultados.
 

 

Maria João Trindade, responsável da APF, lembrou que todas as mulheres portuguesas podem exigir fazer o rastreio, que é totalmente gratuito. Lembrando que o rastreio se faz com um simples exame ginecológico, a médica reconheceu que, à excepção da zona Centro, outras zonas do país estão a falhar nesta forma de prevenção do Cancro do Colo do Útero, doença que pode ser provocada pelo vírus do papiloma humano (HPV).
 

 

Maria João Trindade atribuiu estas falhas ao "mau funcionamento dos serviços", nomeadamente porque há falta de recursos humanos na área dos cuidados primários de saúde. Como bom exemplo do funcionamento dos serviços na zona Centro, nomeou o facto de actualmente ser muito raro surgir no IPO (Instituto Português de Oncologia) de Coimbra um carcinoma invasivo.
 

 

O rastreio do Cancro do Colo do Útero, aconselhado a todas as mulheres entre os 25 e os 64 anos. Segundo dados da Associação Europeia de Cancro do Colo do Útero, só na Europa são detectados anualmente 50 mil novos casos de cancro do colo do útero e 25 mil pessoas por ano morrem da doença. Em Portugal, este cancro, que aniquila a vida sexual e familiar das sobreviventes, mata em média uma mulher por dia.
 

 

Fonte: Lusa
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.