Porque é que algumas pessoas vêem números e letras a cores?

Estudo publicado no “Cell Press”

22 novembro 2011
  |  Partilhar:

A maior actividade de uma região do cérebro responsável pela visão pode explicar porque é que alguns indivíduos podem ver, por exemplo, o número dois em turquesa e a letra S em magenta, uma condição conhecida por sinestesia cor-grafema, dá conta um estudo publicado na “Cell Press”.
 

Estes resultados fornecem uma nova forma de ver a sinestesia como um produto da hiperexcitabilidade regional do cérebro e aumenta o nosso conhecimento sobre as diferenças individuais da percepção, revelam os investigadores da University of Oxford.
 

A “maioria das pessoas tende a assumir que percepcionamos o mundo da mesma forma que as outras pessoas, mas a sinestesia fornece um exemplo claro de um grupo de indivíduos que vê o mundo de uma forma completamente diferente", diz Devin Blair Terhune da Universidade de Oxford. "A maioria das pessoas não têm experiências conscientes da cor quando olha para números, letras e palavras, enquanto os sinestésicos têm. Estudar essas pessoas pode, assim, ajudar a perceber os mecanismos cerebrais subjacentes à consciência."
 

Estudos anteriores já haviam demonstrado que os sinestésicos que associavam cores a números e a letras também distinguem melhor as cores que outros indivíduos que apresentam outros tipos de sinestesia. Estes resultados sugeriram que a hiperactividade do córtex visual poderia ter um papel importante neste processo.
 

Neste estudo, os investigadores liderados por Roi Cohen Kadosh verificaram que, em média, as pessoas necessitam realmente de uma estimulação magnética do córtex visual três vezes superior aos dos sinestésicos de forma a visualizarem fosfenos, flashes de luz transitória ou outros distúrbios visuais.
 

“Estamos surpreendidos com a magnitude da diferença”, disse Devin Blair Terhune, “os sinestésicos apresentaram níveis de excitabilidade cortical muito maiores do que os outros participantes que não sofrem desta condição. Estes resultados mostram uma diferença fundamental nos cérebros das pessoas com e sem sinestesia.”
 

De acordo com os autores do estudo estes resultados poderão permitir o desenho de tratamentos para reduzir ou eliminar a sinestesia ou ainda fazer com que esta seja ainda mais intensa. Os resultados também podem ajudar no tratamento de outros distúrbios visuais como as alucinações.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 1 Comentar

ver as cores

Desde sempre me lembro de ver cores nas letras e por isso também nas palavras como nomes, dias da semana... também nos algarismos e nos números. De início pensei que todos viam porque a minha irmã também vê. comentávamos. vIEMOS A SABER QUE AS PESSOAS QUE NOS RODEAVAM NÃO VIAM E CALÁMO-NOS PARA NÃO SERMOS pensadas como loucas.

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.