Por que é que a gravidez reduz o risco de cancro da mama?

Estudo realizado pelos investigadores do Fox Chase Cancer Center

12 abril 2011
  |  Partilhar:

O padrão da expressão genética no tecido mamário das mulheres que se encontram em idade pós-menopáusica e que tiveram filhos difere das mulheres que nunca tiveram filhos. Estes resultados obtidos por investigadores do Fox Chase Cancer Center, nos EUA, poderão assim ajudar a explicar por que é que a gravidez reduz o risco de cancro da mama.
 

A gravidez provoca diferenciação e crescimento do tecido mamário, mas o tecido da mama das mulheres que se encontram na pós-menopausa é aparentemente semelhante, independentemente da história obstétrica. Esta semelhança tem deixado os investigadores curiosos sobre o papel protector da gravidez ao longo da vida da mulher.
 

Para este estudo, o qual foi apresentado no AACR 102nd Annual Meeting 2011, os investigadores contaram com a participação de mulheres que se encontravam na pós-menopausa: 44 tinham tido filhos e 21 não tinham engravidado. Após terem comparado a expressão de genes presentes no tecido mamário dos dois grupos de mulheres, os investigadores verificaram que havia cerca de 208 genes que diferiam entre os dois grupos. Este tipo de padrão foi validado numa análise independente levada a cabo em 61 mulheres na pós-menopausa, 38 das quais tinham tido filhos e 23 não.
 

O estudo revelou que muitos dos genes que diferiam entre os dois grupos estavam envolvidos no processo de transcrição do ARN. O líder do estudo, Jose Russo, coloca, assim, a hipótese de um aumento do processo de transcrição e, consequentemente, da síntese de proteínas ajudar a garantir que nenhuma proteína mutada é sintetizada, reduzindo assim o risco de crescimento anormal e desenvolvimento de cancro.
 

Os investigadores verificaram também uma redução na expressão de genes associados ao cancro da mama no tecido mamário das mulheres que tinham tido filhos. O factor de crescimento semelhante à insulina que está associado a uma maior proliferação celular tinha menor expressão nas mulheres que tiveram filhos do que naquelas que nunca tiveram filhos.
 

Na opinião dos autores do estudo, estes resultados vão ajudar a compreender o motivo pelo qual a gravidez reduz o risco de cancro da mama e pode ajudar no desenvolvimento de estratégias de quimioprevenção que podem proporcionar uma protecção semelhante para as mulheres que não têm filhos.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 5
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.