População portuguesa apresenta baixos níveis de vitamina D

Índices são inferiores aos dos habitantes dos países nórdicos

16 outubro 2017
  |  Partilhar:
Os portugueses apresentam atualmente um nível de carência de vitamina D, que pode ser produzida através do sol, superior às pessoas dos países nórdicos, alertou um especialista em reumatologia da Universidade de Coimbra (UC).
 
Pereira da Silva disse à agência Lusa que "não basta estar sol lá fora. É preciso expor a nossa pele ao sol e os portugueses são pouco dados a isso, pois quando está bastante calor tendem a fugir do sol”. O especialista salientou que os "nórdicos quando está sol e calor apanham-no, porque sabem que não têm muitas oportunidades".
 
Já os portugueses, acrescentou, se apanhassem sol com alguma regularidade, dado que o clima proporciona vários meses de exposição solar, "deviam, de facto, ter menos falta de Vitamina D do que as populações desses países".
 
"O que se passa é que tradicionalmente em Portugal não apanhamos sol nas horas de maior calor, que são aquelas em que o sol é mais capaz de produzir a vitamina D, que é entre as 11:00 e as 16:00, entre abril e outubro, e nas quais evitamos fazê-lo", sublinhou.
 
Uma situação que contrasta com o apelo das autoridades de saúde para que as pessoas evitem a exposição solar naquelas horas, mas que o professor Pereira da Silva considera que a mensagem deveria ser no sentido de as pessoas terem cuidado "com a exposição excessiva ao sol".
 
"A dose necessária [de sol] para produzir a vitamina é muitíssimo inferior à dose necessária para causar uma queimadura ou para aumentar o risco de cancro da pele", frisou o médico.
 
Segundo o especialista, a falta de vitamina D é diretamente responsável por doenças como a osteoporose, "que já é um problema de saúde pública", e a osteomalacia, consequência direta de falta de vitamina D, o equivalente no adulto ao raquitismo.
 
O especialista em reumatologia disse ainda que há uma quantidade enorme de estudos por todo o mundo que relacionam níveis baixos de vitamina D com uma variedade muito grande de doenças, entre elas a diabetes, enfarte do miocárdio, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, certas formas de cancro e de infeção.
 
Relativamente à relação entre as doenças oncológicas e certos tipos de infeção, o médico considera que a prova "não é absolutamente sólida, pelo que não se sabe se a falta de vitamina D é a causa ou apenas o acompanhante destas patologias".
 
"As pessoas que têm níveis mais baixos de vitamina D morrem mais cedo e respondem pior aos tratamentos oncológicos", adiantou o professor da UC, acrescentando que a suplementação é "muito barata e segura" e que muitos países europeus já o fazem na população mais idosa.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar