Poetas morrem jovens

Estudo apresentado no Dia Mundial do Livro

22 abril 2004
  |  Partilhar:

Na data em que se celebra o Dia Mundial do Livro, um estudo elaborado por James Kaufman, da Universidade da Califórnia (EUA), refere que os poetas morrem mais cedo do que outros escritores. Isto «acontece porque os poetas são torturados ou auto-destrutivos, ou adquirem uma má reputação quando ainda muito jovens», referiu o líder da investigação James Kaufman à BBC. A equipa estudou 1.987 escritores de todo o mundo que viveram nos últimos séculos e descobriu que os poetas morrem significativamente mais jovens. O estudioso incidiu também o seu trabalho na relação entre os poetas e as doenças mentais, tendo verificado que as poetisas são muito mais propensas a sofrer de doenças mentais do que qualquer outra categoria de escritores. Segundo Kaufman, o volume de material produzido por um poeta antes dos 30 anos é sensivelmente o dobro do que qualquer outro romancista. «Um grande escritor de obras não-ficcionais que morra aos 28 anos pode ainda não ter escrito a sua melhor obra», precisou. Apesar destas conclusões, o cientista diz que a poesia não deve ser considerada uma actividade letal. James Kaufman baptizou este estudo de Sylvia Plath, em homenagem a uma poetisa que se suicidou aos 30 anos. Traduzido e adaptado por:Paula Pedro MartinsJornalistaMNI-Médicos Na Internet 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.