Períodos de jejum protegem de diabetes e obesidade

Estudo publicado na “Cell Metabolism”

06 setembro 2018
  |  Partilhar:
A restrição do período de alimentação diário para 10 horas em ratinhos sem relógio biológico demonstrou proteger os roedores da obesidade e doenças metabólicas, atestou um estudo.
 
No sentido de perceber melhor a função dos ritmos circadianos no desenvolvimento de doenças metabólicas, uma equipa de investigadores do Instituto Salk, na Califórnia, EUA, desativou os genes responsáveis pela manutenção do relógio biológico em ratinhos, incluindo no fígado, um órgão que regula muitas funções metabólicas. 
 
Os defeitos genéticos nestes ratinhos sem relógio biológico tornam-nos suscetíveis de desenvolverem diabetes, obesidade, fígado gordo e colesterol elevado, doenças que pioram se os animais puderem consumir alimentos ricos em gordura e açúcar.
 
A equipa liderada por Satchidananda Panda dividiu dois grupos de ratinhos sem relógio biológico e ofereceu a cada grupo a mesma alimentação rico em gordura, mas com uma exceção: um dos grupos teve acesso permanente aos alimentos e o outro apenas durante 10 horas por dia. 
 
Tal como esperado, os ratinhos do grupo que teve acesso ilimitado ficaram obesos e desenvolveram doenças metabólicas. 
 
Por outro lado, os ratinhos com a restrição alimentar em termos de horas mantiveram-se magros e saudáveis, mesmo considerando que não possuíam o relógio biológico interno, estando assim geneticamente programados para serem morbidamente doentes.
 
Os investigadores concluíram que os benefícios de um período alimentar de 10 horas não eram apenas devidos a restringir a alimentação para alturas em que os genes para a digestão estavam mais ativos. 
 
“Este trabalho sugere que ao controlar os ciclos de alimentação e de jejum dos animais, podemos basicamente compensar a falta de um sistema interno de temporização com um sistema externo de temporização”, comentou Amandine Chaix, primeira autora do estudo. 
 
Os autores concluem que este estudo sugere que a função principal do ritmo circadiano será dizer ao animal quando se deve alimentar e quando não deve. Se este “relógio” for perturbado, tal como ou quando os humanos trabalham por turnos, ou devido a defeitos genéticos, quebra-se o equilíbrio entre nutrição e rejuvenescimento, dando lugar a doenças.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar