Parto prematuro e o envelhecimento da placenta

Estudo publicado no “American Journal of Pathology”

16 maio 2014
  |  Partilhar:

Muitos dos partos prematuros podem ser causados pelo envelhecimento precoce da placenta resultante do stress oxidativo, dá conta um estudo publicado no “American Journal of Pathology”.
 

O stress oxidativo pode ser provocado por toxinas ambientais e poluição, os quais fazem parte do dia-a-dia das pessoas e não podem ser evitados. No entanto, existem outros fatores como os hábitos tabágicos e alcoólicos, um elevado índice de massa corporal, má nutrição infeções que podem ser evitadas.
 

Neste estudo os investigadores da Universidade do Texas, nos EUA, expuseram membranas fetais ao stress oxidativo, tendo verificado que este conduzia a um rápido envelhecimento do tecido da placenta.
 

Os danos causados pelo stress oxidativo são controlados pelos antioxidantes. Contudo, os investigadores acreditam que quando o stress oxidativo atinge níveis muito elevados pode despoletar o envelhecimento precoce da placenta o que consequentemente resulta num parto prematuro.
 

De acordo com os investigadores este é o primeiro estudo que analisa e prova que o stress oxidativo induz a senescência, ou o envelhecimento das células fetais humanas.
 

Um dos autores do estudo, Ramkumar Meno, refere que toma de antioxidantes durante a gravidez não tem reduzido o número de partos prematuros, pois os mecanismos envolvidos nos danos provocados pelo stress oxidativo ainda não estão claros.
 

Estudos anteriores tinham sugerido que a infeção é a principal causa da rutura das membranas, para a qual os antibióticos são habitualmente utilizados. Contudo, os investigadores descobriram que este tipo de intervenções, como a toma de antibióticos, não tem tido sucesso na prevenção do parto prematuro.
 

“Com mais de 15 milhões de gestações em todo o mundo a terminarem em nascimentos prematuros, podemos agora descobrir como utilizar esta informação de forma a adotar estratégias de intervenção capazes de reduzir o risco de parto pré-termo”, concluem os investigadores.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.