Pâncreas artificial testado em crianças diabéticas

Investigação da Universidade de Cambridge

10 julho 2007
  |  Partilhar:

 

Uma equipa de cientistas da University of Cambridge, Inglaterra, vai começar a testar um pâncreas artificial num grupo de 12 crianças com Diabetes tipo 1, entre os cinco e os 18 anos.
 

 

O pâncreas artificial é composto de um sensor - um pequeno computador do tamanho de um cartão multibanco - que calcula a quantidade de insulina necessária em cada momento. A este sensor está associada uma bomba que injecta a insulina de acordo com as necessidades do doente.
 

 

Na Diabetes tipo 1, o pâncreas não consegue produzir insulina.
 

Os benefícios deste aparelho são claros: os diabéticos deixam de depender dos testes de medição ao sangue e ainda da administração de insulina diárias. O que diminui o risco de complicações associadas ao mau controlo da doença (como a cegueira, os problemas vasculares ou a morte precoce).
 

 

Estudos mostram que mesmo os diabéticos que fazem uma monitorização apertada não conseguem passar mais de 30% do seu dia com os níveis de açúcar adequado no sangue.
 

 

Em declarações à BBC, o responsável pela equipa de investigadores, Roman Hovorka, afirma que o aparelho vai ser testados durante dois anos em ensaios clínicos sucessivos e, se os resultados forem positivos, poderá ser comercializado quatro a sete anos depois.
 

 

Fontes: Diário de Notícias e Imprensa Internacional
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.