Pais não querem aulas obrigatórias sobre drogas

Matéria deve ser inserida nos estudos extracurriculares para a cidadania

15 junho 2004
  |  Partilhar:

A Confederação Nacional das Associações de Pais (CONFAP) defendeu no fim-de-semana que as aulas sobre consumo de drogas não devem ser obrigatórias, mas sim inseridas nos estudos extracurriculares para a cidadania. A CONFAP reage assim ao anúncio do ministro da Educação, David Justino, no sentido de criar uma área curricular obrigatória nas escolas para alertar os jovens para os riscos inerentes ao consumo de estupefacientes. Victor Sarmento, da CONFAP, considera que as áreas não disciplinares e os estudos para a cidadania têm sido relegados para segundo plano. «Infelizmente, estas matérias [áreas não disciplinares/estudos para a cidadania] estão paradas nas escolas», afirmou. Ao mesmo tempo, defendeu que as questões das drogas podem também ser abordadas em disciplinas curriculares como as Ciências. A CONFAP acusa ainda o Ministério da Educação de relegar as associações de pais para segundo plano nesta matéria. Com esta medida, anunciada terça-feira no encerramento do Congresso Internacional de Cannabis, David Justino pretende prevenir o consumo de haxixe e erva que, segundo estudos recentemente divulgados, são bastante utilizados pelos alunos do terceiro ciclo do Ensino Básico e do Secundário, entre os 12 e os 17 anos.Fonte: Lusa

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.