Pães portugueses têm níveis elevados de toxina

Estudo avaliou amostras e analisou urina dos consumidores

27 abril 2010
  |  Partilhar:

Alguns tipos de pães, em circulação no mercado nacional, contêm ocratoxina, uma substância química produzida por fungos, com efeitos nefrotóxicos, hepatotóxicos e carcinogénios, de acordo com dados preliminares de um estudo que reuniu várias entidades e que visa avaliar a exposição da população portuguesa a esta toxina. A ingestão desta toxina, de forma contínua e em baixos níveis, pode acarretar eventuais riscos para a saúde.

 

O estudo, ainda em fase laboratorial, avaliou os teores desta substância no pão de trigo e broa em 517 amostras, mas também analisou a sua prevalência na urina num total de 364 amostras.
 

O trabalho foi efectuado em seis regiões de Portugal continental: Bragança, Porto, Coimbra, Lisboa, Alentejo e Algarve.

 

Dos dados recolhidos, os cientistas verificaram que o pão de milho, de centeio e integral apresentam teores mais elevados desta substância do que o de trigo. Em relação à análise da urina, constatou-se uma contaminação com ocratoxina praticamente generalizada em todos os casos investigados.

 

O estudo, de carácter nacional, envolve o Centro de Estudos Farmacêuticos da Universidade de Coimbra, em parceria com o REQUIMTE – Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP), o Serviço de Bromatologia da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto e o do Instituto Politécnico de Bragança.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.