Pacientes dependentes de opiáceos após tratamento de cancro da cabeça e pescoço

Estudo publicado na revista “Otolaryngology – Head and Neck Surgery”

08 janeiro 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de investigadores detetou o uso indevido de opiáceos em doentes com cancro da cabeça e pescoço, meses após o final do tratamento.
 
A prescrição de medicação analgésica é frequente nos doentes com cancro, para a recuperação de uma intervenção cirúrgica, por exemplo. No entanto, o uso destes medicamentos naquelas circunstâncias pode por vezes conduzir à dependência.
 
Considerando que os doentes com cancro vivem atualmente muito mais tempo, torna-se necessário proteger a qualidade de vida daquela população, o que naturalmente inclui a proteção contra a dependência de opiáceos.
 
Com o intuito de apurar a extensão da dependência naqueles fármacos em doentes com cancro, Jessica McDermott, investigadora na Faculdade de Medicina da Universidade do Colorado, EUA, e colegas, analisaram uma base de dados em que identificaram 976 pacientes que tinham recebido tratamento para cancro oral ou orofaríngeo.
 
Os investigadores descobriram que 811 daqueles doentes tinham recebido prescrições de opiáceos durante o tratamento da doença. Três meses após o fim do tratamento, 150 pacientes continuavam a receber prescrições e seis meses após o tratamento, 68 (ou 7%) ainda recebiam prescrições para aquele tipo de fármacos.
 
“Não devíamos necessitar de opiáceos após seis meses”, avançou Jessica McDermott. “Esperamos poder usar estes dados para ajudar os pacientes a gerirem melhor a dor”, acrescentou.
 
A investigadora suspeita que a percentagem de abuso dos opiáceos nos doentes de cancro após o fim do tratamento seja maior do que a identificada no estudo. A base de dados usada incluía muitos pacientes mais velhos; contudo, são os mais jovens que apresentam um maior risco de dependência dos opiáceos. 
 
Outros fatores de risco para a continuação do uso dos opiáceos incluem ter recebido prescrições destes fármacos antes do tratamento do cancro e um historial de fumar e de consumo de bebidas alcoólicas.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar