Ondas de calor do Verão causaram mais mil mortos que o normal na época

Dados da Direcção-Geral da Saúde citados pelo jornal “Público”

15 janeiro 2010
  |  Partilhar:

Durante os períodos de maior calor registados em 2009 foram contabilizadas cerca de mil mortes adicionais, segundo estimativas divulgadas esta semana pela Direcção-Geral da Saúde (DGS) e citadas pelo jornal “Público”.

 

Os dados constam do relatório final de avaliação do Plano de Contingência para Ondas de Calor 2009. De acordo com o mesmo jornal, “este resultado classifica 2009 como o pior ano em mortalidade associada a temperaturas elevadas desde 2003, quando um Verão avassalador coincidiu com cerca de dois mil óbitos adicionais”.

 

Referem os dados da DGS que, no ano passado, o período mais crítico ocorreu entre 10 e 23 de Agosto, em que as temperaturas estiveram acima dos 35 graus celsius durante vários dias consecutivos em diferentes pontos do país. Nesse período, refere o mesmo jornal, “a mortalidade adicional estimada, em relação aos dois anos anteriores, foi de 450,5 óbitos”.

 

As outras quatro ondas de calor, registadas em Maio, Junho, Julho e Setembro, originaram 515,5 mortes a mais. “No total, entre 15 de Maio e 30 de Setembro, terão morrido 966 portugueses a mais do que em 2007 e 2008, anos com Verões muito mais amenos.”

 

Citado pelo “Público”, o subdirector-geral de Saúde, José Robalo, disse que o número é preocupante, mas que não houve nenhum sinal de alarme que o fizesse prever.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar