OMS alerta turistas para doenças no Brasil

Rio de Janeiro enfrenta epidemia de dengue

22 fevereiro 2002
  |  Partilhar:

O Brasil enfrenta uma das mais graves epideminas de dengue da história do país. O número de casos tem sido alarmante. Só no Rio de Janeiro, o foco principal da epidemia no Brasil, os registos apontam para 33 671 casos notificados, 577 deles do tipo mais grave e mortal: o hemorrágico. Os números possíveis adiantam que, pelo menos, 14 pessoas tenham morrido devido à doença.
 

 

Com o intuito de alertar os turistas, esta semana a Organização Mundial da Saúde (OMS) avisou todos os que queiram visitar o Brasil para tomar precauções ao desembarcar no território.
 

 

O alerta da OMS – que faz parte do relatório anual publicado pela OMS sobre o turismo e condições de saúde em cada um dos países - estende-se também a outras regiões da América Latina, África e Sudeste Asiático.
 

 

Segundo a Organização, o vírus causador da doença de dengue está concentrado na região do Centro-Oeste e na costa atlântica entre o norte do Rio de Janeiro e São Salvador da Baía. Para tal, a OMS recomenda todos os estrangeiros para que evitem ser picados por mosquitos de dia ou à noite.
 

 

Outras doenças
 

 

Além da dengue, a OMS ainda aponta outros riscos que o turista corre ao entrar em território brasileiro. Um deles é a febre amarela. Segundo o relatório, a possibilidade de uma pessoa ser contagiada pela doença existe em pelo menos 13 Estados do Brasil: Acre, Amazonas, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Rondónia, Roraima, Tocantins e algumas regiões de Minas Gerais, Paraná e São Paulo.
 

 

Por tal, a Organização recomenda que o turista saia do país de origem já vacinado contra a febre amarela. O relatório da OMS também informa sobre o alto risco de se contrair malária na região da Amazónia e lembra que a intensidade de transmissão da doença varia conforme o local. A OMS, porém, garante que fora da região da Amazónia, o perigo de ser contagiado pela malária é praticamente nulo.
 

 

A avaliação da Organização sobre o Brasil termina com um alerta de que ainda existe o risco do contágio de doenças como cólera, hepatite A, B e C. No caso da hepatite A, o motivo é a falta de condições sanitárias apropriadas e a medida preventiva é vacinação antes de entrar no Brasil. O mesmo é aconselhado para a cólera e hepatite B.
 

 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.