OMS alerta para «terrorismo alimentar»

Contaminação de alimentos é um risco «real e corrente»

03 fevereiro 2003
  |  Partilhar:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu que grupos extremistas ou fundamentalistas poderiam tentar contaminar alimentos com agentes patogénicos e tóxicos e pediu aos países do mundo que aumentem a sua vigilância.
 

 

Num relatório publicado na semana passada, a OMS afirma que um ataque com o uso de agentes químicos ou biológicos poderia levar pessoas a desenvolverem doenças graves, como cancro, ou mesmo conduzir à morte.
 

 

A contaminação de alimentos, diz o documento, é um «risco real e corrente», mas, até ao momento, a OMS disse não ter recebido nenhum alerta específico sobre um possível ataque do tipo.
 

 

O relatório, entitulado «Ameaças Terroristas aos Alimentos», tem 45 páginas e adverte para o risco de uso de pesticidas, vírus e parasitas como «forma de, deliberadamente, causar dano a populações civis».
 

 

Surtos naturais de doença mostram os riscos de um atentado biológico usando alimentos. Em 1994, por exemplo, 224 mil pessoas em 41 Estados norte-americanos contraíram salmonela devido a um tipo de gelado contaminado.
 

Mas o caso mais grave provavelmente aconteceu em Xangai, na China, em 1991, onde 300 mil pessoas contraíram hepatite A ao consumir mariscos estragados.
 

 

No documento são citados exemplos de acções extremistas envolvendo alimentos ocorridas no passado, incluindo um surto da bactéria salmonela no estado americano do Oregon, levado a cabo por membros de uma seita que contaminaram restaurantes. Neste «ataque» mais de 750 pessoas ficaram doentes.
 

 

Segundo o mesmo responsável, os atentados mais eficientes seriam aqueles que contaminassem os alimentos nas suas primeiras fases de produção.
 

 

O director de segurança alimentar da OMS, Jurgen Schlundt, disse que o relatório não tem o objectivo de criar alarme, mas sim de alertar os governos para que aumentem a vigilância e planeiem medidas de resposta em caso de uma emergência. «Já houve casos de contaminação proposital da cadeia alimentar. Nós sabemos que pode existir potencial», disse o responsável à agência Reuters.
 

 

Segundo a mesma fonte, cerca de 1,5 milhão de pessoas já morrem, todos os anos, devido a doenças relacionadas com a alimentação.
 

 

A OMS acredita que, se os grupos fundamentalistas adicionarem agentes patogénicos ou tóxicos a alimentos, muitas mais pessoas poderão sofrer de doenças a longo prazo, incluindo paralisias, anomalias fetais, problemas de saúde crónicos e cancro.
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.