Obesidade: mais perto da cura?

Estudo publicado na revista “Nature Cell Biology”

11 dezembro 2014
  |  Partilhar:

Investigadores americanos dizem ter dado mais um passo no desenvolvimento de um medicamento que pode substituir a prática do exercício físico para o controlo da obesidade, dá conta um estudo publicado na revista “Nature Cell Biology”.
 

Neste estudo, os investigadores do Instituto de Células Estaminais de Harvard, nos EUA, criaram um sistema que envolveu a utilização de células estaminais para testar quais os compostos com capacidade de transformar o tecido adiposo branco (”mau”) em castanho (“bom”).
 

As células do tecido adiposo branco armazenam energia sob a forma de lípidos e desempenham um papel importante na obesidade, diabetes tipo 2 e doenças associadas, incluindo a doença cardíaca. Por outro lado, estudos realizados em ratinhos têm demonstrado que o tecido adiposo castanho diminui os níveis de triglicerídeos, reduz a resistência à insulina associada à diabetes tipo 2 e queima o tecido adiposo branco.
 

Quando o organismo tem energia em excesso esta é armazenada sob a forma de lípidos nas células do tecido adiposo branco. Quando existe um excesso de calorias a “entrar” e poucas a serem “queimadas”, as células estaminais adultas produzem mais células de tecido adiposo, levando assim a uma acumulação de gordura no organismo.
 

Os investigadores, liderados por Chad A. Cowan, descobriram duas pequenas moléculas que são capazes de converter as células estaminais adiposas, que habitualmente produziriam células do tecido adiposo branco, em células semelhantes ao tecido adiposo castanho. Estas células queimam o excesso de energia e consequentemente reduzem o tamanho e o número de células do tecido adiposo branco.
 

O investigador explicou que o tecido adiposo está a ser constantemente reposto. Assim, se for possível desenvolver um fármaco para converter as células, cada nova célula adiposa vai ser mais ativa metabolicamente e irá ser convertida em tecido castanho ao longo do tempo. Chad A. Cowan conclui que desta forma é possível reduzir o risco de desenvolvimento da diabetes tipo 2 e outras condições associadas à acumulação de gordura.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.