O consumo de cereais refinados é realmente mau para a saúde?

Estudo publicado na “Advances in Nutrition”

12 abril 2019
  |  Partilhar:
Um estudo recente sugere que o consumo de cereais refinados não está associado a um maior risco de várias doenças, nomeadamente metabólicas e cardiovasculares, e morte prematura.
 
“Muito simplesmente, os cereais refinados não são o mau da fita”, observou o autor do estudo, Glenn Gaesser, da Universidade do Estado do Arizona, EUA. O investigador admite que este tipo de alimentos terá adquirido uma reputação de “culpado por associação”.
 
O estudo envolveu 11 meta-análises que incluíram 32 publicações, com dados provenientes de 24 coortes diferentes. 
 
Efetivamente, os resultados das meta-análises indicaram a inexistência de uma associação entre o consumo de cereais refinados e o risco de doença cardiovascular ou coronária.
 
Não foi ainda identificada uma associação entre o consumo de cereais refinados e o risco de acidente vascular cerebral (AVC). Pelo contrário, um dos estudos apontava uma redução de 10% no risco de AVC.
 
A meta-análise indicou também a inexistência de uma associação entre o consumo de cereais refinados e o risco de diabetes de tipo 2. 
 
Em relação ao cancro, uma meta-análise demonstrou uma associação inversa entre o consumo de cereais refinados e mortes totais por cancro, e outra não encontrou associação com o risco de cancro do reto ou do cólon. 
 
Cinco em seis estudos não encontraram uma associação entre o consumo de cereais refinados e índices de mortalidade. O outro estudo demonstrou uma associação inversa entre o consumo daquele tipo de cereais e o índice de mortalidade por todas as causas. 
 
Finalmente, três revisões sistemáticas não apuraram uma relação consistente entre o consumo de cereais refinados e a obesidade. 
 
Glenn Gaesser considera que esta má reputação dos cereais refinados se poderá dever ao facto de as diretrizes alimentares, neste caso nos EUA, serem baseadas em padrões alimentares e não grupos de alimentos isolados. 
 
Neste âmbito, os cereais refinados integram o padrão alimentar ocidental que possui alimentos processados, ricos em açúcar e gordura, e que contribuem para muitas doenças crónicas. Contudo, isoladamente, “o consumo de cereais refinados não está associado a doenças crónicas ou morte”, conclui o autor. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar