Número de mortes pelo H1N1 não é real

Explicações da OMS

29 dezembro 2009
  |  Partilhar:

O impacto da pandemia de gripe A (H1N1) é moderado, considera a Organização Mundial de Saúde (OMS) no boletim de informação pública emitido na semana passada, mas acrescenta que os números correctos "de mortalidade e taxa de mortalidade só serão possíveis um ou dois anos após o pico da pandemia”.

 

A OMS já não faz uma contabilização do número de infectados com H1N1 no mundo, dado que os países deixaram de ter capacidade de confirmar laboratorialmente todos os casos. Em Portugal, por exemplo, desde 20 de Agosto que a Direcção-Geral de Saúde (DGS) passou a dar nota do número global de casos de gripe (sazonal e gripe A).

 

Contudo, segundo a OMS, desde Abril, data de início da pandemia, o vírus da gripe A já terá vitimado, pelo menos, 11.516 pessoas em todo o mundo, mas estes são apenas os casos confirmados laboratorialmente.

 

Para além de os testes serem bastante dispendiosos e muitos dos países em vias de desenvolvimento não terem capacidade para os realizar, acresce o facto de, nestes países, a morte por problemas respiratórios, tais como pneumonia, ser comum, o que torna difícil aferir com certeza o número de óbitos provocados pelo H1N1 no mundo.

 

Refere este último boletim informativo da OMS que "por vários motivos, esses números não dão uma dimensão real da mortalidade durante a pandemia, que é inquestionavelmente maior que o indicado pelos testes confirmados por laboratório".

 

Em relação à faixa etária afectada pelo novo vírus, a OMS refere que, comparativamente com a gripe sazonal, esta nova gripe afecta “um grupo muito mais jovem em todas as categorias - aqueles que são infectados com maior frequência, hospitalizados, que requerem tratamento intenso e que morrem".

 

A gripe sazonal mata entre 250 mil e 500 mil pessoas todos os anos em todo o mundo, mas este é apenas um número decorrente de modelos estatísticos. Durante as epidemias de gripe sazonal, cerca de 90% das mortes são de idosos "que apresentam uma ou mais condições médicas crónicas".

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.