Novos estudos científicos reforçam hipótese de coronavirus

Urbani é como se chama o novo virus

14 abril 2003
  |  Partilhar:

Dois estudos publicados quinta-feira nos Estados Unidos reforçaram a hipótese de um novo coronavirus estar na origem da pneumonia atípica, apesar do aviso das autoridades de que ainda faltam elementos para confirmar definitivamente a fonte da doença.
 

 

Um dos estudos publicados pela revista The New England Journal of Medicine conclui que "um novo coronavirus está associado a esta epidemia".
 

 

Uma das equipas de investigadores propõe mesmo um nome para este vírus, Urbani, em memória de Carlo Urbani, um médico italiano que morreu em Banguecoque a 29 de Março, depois de ter sido o primeiro a alertar para a doença no Vietname.
 

 

A Síndroma Respiratória Aguda (SRA), vulgarmente denominada por pneumonia atípica, é uma doença descoberta em Novembro de 2002 no sul da China e com principal incidência da Ásia Oriental. O principais sintomas são febres superiores a 38 graus, tosse e dificuldades respiratórias.
 

 

Os autores de um outro estudo publicado na mesma revista chegaram por métodos diferentes a uma conclusão semelhante, mas escrevem mais prudentemente que "o novo coronavirus poderá ter um papel na SRA".
 

 

Comentando os dois estudos, Julie Gerberding, directora dos Centros de Controlo de Doenças (CDC) de Atlanta (Geórgia), a mais alta autoridade norte-americana em matéria de vigilância e prevenção das doenças, sublinhou quinta-feira que "ainda não se pode dizer com certeza que (este vírus) é a causa do SRA".
 

 

"Faltam ainda cumprir duas etapas" para chegar a esta conclusão, explicou.
 

 

A primeira é "demonstrar a presença do coronavirus nos pulmões de um paciente afectado pela doença, no qual possamos também constatar uma inflamação ou uma pneumonia", disse.
 

 

A segunda condição para estabelecer com certeza esta ligação é dispor de "um modelo animal, inocular o coronavirus neste animal de forma a que este fique doente, desenvolva uma pneumonia e nos permita isolar o coronavirus dos tecidos infectados", continua a directora do CDC.
 

 

Até ao momento, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a pneumonia atípica já matou 111 pessoas em todo o mundo.
 

 

Fonte: Lusa

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.