Novo tratamento mais eficaz para a doença de Crohn

Estudo publicado no “New England Journal of Medicine”

19 abril 2010
  |  Partilhar:

A terapia combinada de um imunossupressor com um fármaco biológico mostrou-se promissora no controlo da doença de Crohn, sugere um estudo publicado no “New England Journal of Medicine”.

 

O controlo da doença de Crohn é, normalmente, iniciado com esteróides. No caso de a medicação não ser suficiente para o alívio dos sintomas da doença, como as dores abdominais, náuseas, febre, perda de peso e diarreia, o passo seguinte é utilizar azatioprina, que reduz a actividade do sistema imunitário.

 

Só no caso de também este fármaco não funcionar é que os médicos passam para a introdução de medicamentos biológicos, tais como o infliximab.

 

Este estudo, liderado por William J. Sandborn, da Mayo Clinic, nos EUA, e financiado pelo Centocor Ortho Biotech, que comercializa o infliximab, revela que a utilização de azatioprina isolada não produz o efeito desejado e recomenda que os medicamentos biológicos sejam administrados logo como primeiro recurso.

 

“A terapêutica combinada de azatioprina com infliximab parece ser o tratamento de eleição no caso de os esteróides não se revelarem eficazes”, afirmam os autores.

 

O ensaio clínico incluiu 508 doentes de Crohn que nunca tinham sido tratados com imunossupressores. Deste total, um terço recebeu apenas infliximab, outro terço tomou só azatioprina e 33% receberam a medicação combinada.

 

Após 26 semanas, 56,8% dos que receberam a terapia combinada apresentaram remissão completa dos sintomas, contra 44,4% dos que receberam só infliximab e 30% dos que apenas tomaram azatioprina.

 

Dado que a questão mais preocupante para quem toma imunossupressores é o perigo de uma infecção grave, esta situação também foi avaliada pelos investigadores, tendo-se verificado uma ligeira diminuição no grupo que tomou a terapia combinada. O estudo anotou infecções graves em 3,9% das pessoas que fizeram a terapia combinada, 4,9% nas do grupo de infliximab e 5,6% nas que tomaram azatioprina.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.