Novo estudo da flora intestinal pode abrir novas pistas para tratamento da Obesidade

Trabalho publicado na Nature

21 dezembro 2006
  |  Partilhar:

A composição da flora intestinal pode favorecer a Obesidade, segundo experiências feitas em ratinhos que abrem novas pistas para o tratamento da doença no homem, indica um estudo divulgado pela revista Nature.De acordo com a equipa de Jeffrey Gordon, do Center for Genomes Sciences, Washington University School of Medicine, St. Louis, há dois grupos de bactérias dominantes no intestino; as bacteroidetes e as firmicutes, que por sua vez incluem os lactobacilos. Estes dois grupos constituem 90% dos tipos de bactérias existentes no intestino do homem, tal como no dos ratinhos, sendo que a proporção de bacteroidetes é menor nos obesos do que nas pessoas magras. Doze pessoas obesas, cujo intestino continha menos bacteroidetes e mais firmicutes que o de pessoas magras, foram submetidas a dois tipos de dieta de emagrecimento (pobres em gordura e em hidratos de carbono). No final, independentemente do tipo de dieta, a quantidade de bacteroidetes aumentou, enquanto a de firmicutes diminuiu. Para a equipa de Jeffrey Gordon, os micróbios ou "microbiotas" que povoam o intestino dos roedores obesos têm uma maior capacidade de extrair energia dos alimentos. Por isso, acrescenta, colonizar o intestino estéril de ratinhos com microbiotas de ratinhos obesos aumenta mais as gorduras corporais do que com microbiotas de magros. Embora considerem necessário prosseguir o estudo em amostras maiores de pacientes, estes cientistas vêem na flora intestinal um possível alvo terapêutico da luta contra a Obesidade. Fontes: Lusa e Imprensa Internacional MNI-Médicos Na Internet

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.