Novo dispositivo indica se a quimioterapia direcionada está a atuar

Estudo publicado na revista “Microsystems & Nanoengineering”

19 julho 2019
  |  Partilhar:
Uma equipa de cientistas criou um dispositivo que consegue determinar se os fármacos quimioterápicos direcionados estão a atuar em cada paciente com cancro.
 
Este dispositivo portátil emprega inteligência artificial e biossensores para detetar a presença de células cancerígenas vivas após o tratamento, com uma eficácia de até 95,9%.
 
“Construímos uma plataforma portátil que consegue prever se os pacientes irão responder de forma positiva à terapia direcionada para o cancro”, explicou Mehdi Javanmard, autor sénior do estudo da Faculdade de Engenharia na Universidade Rutgers-New Brunswick, EUA.
 
“A nossa tecnologia combina inteligência artificial e biossensores sofisticados que processam amostras minúsculas de fluídos para ver se as células cancerígenas são sensíveis ou resistentes aos fármacos quimioterápicos”, acrescentou o cientista. 
 
O novo dispositivo não requer a coloração das células, ao contrário dos dispositivos atuais, permitindo análises moleculares subsequentes e produz resultados instantaneamente.
 
Isto torna possível efetuar intervenções mais personalizadas nos doentes e uma melhor gestão e deteção do cancro.
 
Os cientistas responsáveis pelo desenvolvimento da nova ferramenta testaram-na em amostras de células cancerígenas tratadas com diferentes concentrações de um fármaco direcionado para tratar o cancro. O dispositivo deteta se uma célula está viva com base nas alterações das suas propriedades elétricas ao passar através de um buraco minúsculo com fluído. 
 
A equipa espera que o dispositivo seja eventualmente usado para testar terapias para o cancro em amostras de tumores de pacientes antes da administração do tratamento. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar