Novo biomarcador das células tronco do cancro do pulmão

Descoberta publicada na revista “Scientific Reports”

21 novembro 2019
  |  Partilhar:
Um professor da Faculdade de Farmácia da Universidade de Houston e equipa descobriu um novo biomarcador nas células tronco que controlam a sobrevivência e metástase do cancro.
 
Os biomarcadores alertam para um processo anormal que está a ocorrer no paciente. Podem ser moléculas, enzimas ou moléculas sinalizadoras, variando de paciente em paciente. Sendo que são tão variados, não existe um fármaco para cada um.
 
Todos os cancros têm células iniciadoras de tumores/células tronco que são resistentes a fármacos, renovam-se e são altamente metastáticas, sendo responsáveis por recidivas e 90% das mortes por cancro.
 
Os investigadores desenvolveram 400.000 potenciais compostos químicos sintéticos (peptóides) e usaram-nos para capturar os biomarcadores de cancro do pulmão. Dos 400.000, só três atingiram apenas as células tronco e não as outras células do cancro do mesmo paciente.
 
Quando os peptóides foram usados para suspender os seus alvos, um destes foi identificado como sendo a plectina, mostrando que esta proteína é um biomarcador único das células tronco tumorais.
 
A plectina é uma proteína que se expressa intracelularmente. Sabe-se que sua deslocação para a superfície da célula está ligada à invasão tumoral e metástases.
 
Gomika Udugamasooriya, investigador principal, explica que o estudo revelou uma correlação genótipa e fenótipa entre a plectina e as células tronco do cancro do pulmão, assim como uma associação entre uma elevada expressão da plectina e pacientes com adenocarcinoma do pulmão com piores índices de sobrevivência.
 
“Os cientistas têm desesperadamente tentado encontrar formas de lidar com estas células tronco teimosas de forma a eliminar o cancro. Prevemos que seja um fármaco mais abrangente do que os atuais” porque todos os cancros têm a intenção comum de se espalhar.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Partilhar:
Comentários 0 Comentar