Novo antibiótico eficaz em superbactérias cada vez mais próximo

Estudo publicado na revista “Journal of Medicinal Chemistry”

28 março 2018
  |  Partilhar:
Um novo antibiótico descoberto por cientistas norte-americanos em amostras de solo, em 2015, demonstrou ter capacidade para exterminar superbactérias numa forma sintetizada.
 
Conhecido como teixobactina, o poderoso antibiótico foi sintetizado de forma bem-sucedida e poderá conduzir a uma nova classe de antibióticos pela primeira vez em 30 anos.
 
A equipa de investigadores responsável por este desenvolvimento notável pertence à Universidade de Lincoln, Inglaterra, e constitui um passo importante no desenvolvimento de um fármaco comercialmente viável para combater bactérias multirresistentes como a MRSA e a VRE.
 
Os investigadores criaram então uma forma simplificada e sintetizada da teixobactina e testou-a em infeções bacterianas em ratinhos. 
 
Foi observado que a versão sintetizada da teixobactina curou a infeção, assim como minimizou a severidade da mesma. A equipa usou o antibiótico moxifloxacina como controlo e não conseguiu obter os mesmos resultados.
 
“Traduzir o nosso sucesso com estas versões sintéticas simplificadas, do tubo de ensaio para casos reais é um salto quântico no desenvolvimento de novos antibióticos e torna-nos mais próximos da realização do potencial terapêutico das teixobactinas simplificadas”, comentou Ishwar Singh, especialista de design e desenvolvimento de novos fármacos na Faculdade de Farmácia da Universidade de Lincoln. 
 
“Quando a teixobactina foi descoberta, foi revolucionária só por si como novo antibiótico que mata as bactérias sem resistência detetável, incluindo superbactérias como a MRSA, mas a teixobactina natural não foi criada para uso humano”, continuou.
 
Os autores do estudo estimam que serão necessários entre seis a 10 anos para obterem um antibiótico para uso humano a partir da teixobactina.
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar