Nova vacina para o Ébola oferece imunidade de longa duração

Estudo publicado na revista “Vaccine”

30 março 2015
  |  Partilhar:

Uma equipa de investigadores desenvolveu uma vacina para o vírus do Ébola que oferece uma imunidade durável e o potencial de vacina de disseminação para prevenir a infeção pelo vírus em símios africanos selvagens.


A vacina que é baseada em citomegalovírus (CMV) foi desenvolvida por uma equipa liderada por Michael Jarvis, da Universidade de Plymouth, Reino Unido.


Os símios africanos são a principal fonte de transmissão do vírus do ébola para os humanos. Sendo assim, a prevenção da infeção do vírus nos símios africanos poderá conduzir à redução da incidência de surtos de Ébola em humanos no futuro. Este vírus é altamente fatal nos símios africanos e considerado como uma enorme ameaça à sobrevivência daquela espécie em ambiente selvagem.


A existência de uma vacina disseminadora traz esperança para a estabilização das populações de símios que se encontram ameaçadas e para a proteção dos humanos contra o vírus do Ébola.


A vacina CMV oferece um alto nível de imunidade e é específica para aquela espécie, podendo ser transmitida facilmente de indivíduo para indivíduo, um processo que não foi afetado por imunidade anterior para o CMV.


A equipa está a usar esta estratégia inovadora de uma vacina para o vírus do Ébola baseado no CMV que se pode espalhar pela população de símios selvagens como forma de lhes conferir imunidade específica contra o vírus sem necessidade de vacinação direta. Esta espécie vive em regiões remotas, de difícil acesso, o que torna a vacinação convencional quase impossível.


Este desenvolvimento vem no seguimento de um estudo conduzido em 2011 em que uma equipa demonstrou que uma vacina baseada no CMV oferecia proteção contra o vírus do Ébola em ratinhos. Este estudo demonstrou que a imunidade induzida pelo CMV é de longa duração, tendo sido a imunidade contra o Ébola superior a 14 meses, com uma só dose. Os estudos anteriores apenas tinham monitorizado a durabilidade do efeito imune por curtos períodos na ordem das seis semanas após a inoculação.


O próximo passo será o ensaio em modelo EBOV de macaco, considerado como o “padrão dourado” para o teste de vacinas num modelo que possa ser traduzível em símios de grande porte e humanos.


ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.