Nova pista terapêutica para Febre de Ébola testada em macacos

Mais um passo importante da ciência

15 dezembro 2003
  |  Partilhar:

Resultados preliminares de um teste em macacos apontam um passo importante no aperfeiçoamento de uma estratégia terapêutica para a febre hemorrágica de Ébola, informa a revista médica britânica The Lancet, na sua edição de sábado.
 

A mortalidade devida à febre de Ébola atingiu cerca de 80 por cento nos surtos epidémicos das estirpes Zaire do vírus, segundo os autores do trabalho. A doença foi quase 100 por cento mortal nos animais usados na experiência.
 

A multiplicação do vírus engendra anomalias da coagulação, tal como a síndrome de coagulação intravascular disseminada (CIVD), observada noutras doenças infecciosas, bem como micro-tromboses nos órgãos que provocam o seu colapso no decurso da doença.
 

As hemorragias são também provavelmente devidas a uma coagulação anormal nos pequenos vasos, que consome todos os factores necessários à coagulação. Estes deixam de estar disponíveis para a coagulação normal, o que provoca importantes hemorragias.
 

Daí partiu a ideia da equipa de Thomas Geisbert, do Instituto de Investigação sobre as Doenças Infecciosas do exército norte- americano (USAMRIID, Fort Detrick), de contrariar este processo com um produto, aliás já testado no homem, que previne as complicações cirúrgicas (casos de prótese total do joelho ou intervenção nas coronárias) .
 

 

Os investigadores injectaram o vírus em macacos. Nove deles receberam também o anti-coagulante, uma proteína recombinada chamada «rNAPc2» (de «recombinant nematode anticoagulant protein c2») da empresa Corvas, sediada em san Diego (Califórnia). .
 

O tratamento prolongou a vida dos animais e permitiu que 33 por cento deles sobrevivessem. No grupo não tratado (17 indivíduos), todos morreram. Os macacos sobreviventes mostraram-se de boa saúde nove meses depois da experiência. Finalmente, a sobrevivência dos macacos tratados (12 dias) que morreram ultrapassou a dos seus congéneres não tratados (8 dias) .
 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.