Nobel Egas Moniz inspira novo centro Ciência Viva

Obra deve estar pronta em 2006, em Avanca, terra natal do laureado

12 novembro 2002
  |  Partilhar:

O legado científico de Egas Moniz, o único português laureado com o prémio Nobel da Medicina, vai servir de base a um centro de ciência viva a lançar na sua terra natal, Avanca, Estarreja.
 

 

Segundo o vereador da Cultura na autarquia de Estarreja, José Cláudio Vital, o projecto já foi discutido com o Ministério da Ciência e do Ensino Superior e deverá beneficiar de apoios do Programa Operacional da Ciência, Tecnologia e Educação (equipamento) e do Programa Operacional da Cultura (obras).
 

 

"Pretende-se partir do legado médico do professor Egas Moniz para dar a perceber a evolução histórica registada nas áreas da biologia, medicina e biomédica", explicou o autarca à agência Lusa.
 

 

António Caetano de Abreu Freire Egas Moniz, médico neurologista e investigador (1874-1955), recebeu o Nobel da Medicina em 1949 pela sua descoberta na área da leucotomia pré- frontal, embora se destacasse sobretudo pelas suas investigações da angiografia, que conduziram à primeira visualização radiológica das artérias cerebrais do homem vivo.
 

 

Na previsão de José Cláudio Vital, o centro de ciência viva dedicado a Egas Moniz terá o projecto pronto em fins de 2003 e a obra vai iniciar-se em 2004 para se concluir dois anos mais tarde.
 

 

O centro surgirá no âmbito de um projecto mais vasto que passa por recuperar a quinta de Avanca onde já funciona uma casa- museu dedicada a Egas Moniz.
 

 

Casa-Museu
 

 

Embora exponha alguns objectos referentes às suas investigações científicas, a casa-museu valoriza sobretudo a faceta de coleccionador de Egas Moniz, apresentando o seu espólio de pintura e escultura.
 

 

A vertente "mais esquecida mas mais importante" sai reforçada com o centro de ciência viva onde, tal como em estruturas congéneres, "só será proibido não mexer", referiu José Cláudio Vital.
 

 

Este centro de ciência viva obedecerá a uma filosofia bem acolhida no Ministério de Pedro Lynce, no sentido de privilegiar pequenas estruturas daquele tipo, com matriz temática.
 

 

José Cláudio Vital sublinha, a propósito, que os grandes centros de ciência "só podem sobreviver com fortes doses de mecenato, como o Visionarium, de Santa Maria da Feira, ligado à Associação Empresarial de Portugal, ou com suporte do Orçamento de Estado, caso do Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa".
 

 

O cientista de Avanca, único português a conquistar um Nobel até 1998 (ano em que José Samarago foi distinguindo com o da Literatura), continua a ser confundido com o seu homónimo dos princípios da nacionalidade, mas há, segundo José Cláudio Vital, razões para isso.
 

 

Pina de Resende, um padre interessado pela genealogia, tio, padrinho e educador de Egas Moniz-cientista, descobriu que a família descendia efectivamente de Egas Moniz, o aio de D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal.
 

Daí que alterasse o nome do sobrinho, acrescentando a António Caetano de Abreu Freire os sobrenomes Egas Moniz.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.