Níveis baixos de cortisol podem indicar esgotamento

Estudo publicado na revista “Psychoneuroendocrinology”

01 março 2011
  |  Partilhar:

Exames ao sangue e ao nível de uma hormona presente na saliva podem revelar se uma pessoa está à beira de um esgotamento, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Centro de Estudos de Stress Humano Louis-H Lafontaine e da Universidade Montreal, no Canadá, publicada na revista “Psychoneuroendocrinology”.

 

Segundo dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT), o esgotamento, a depressão clínica ou a ansiedade laboral afectam cerca de 10% dos norte-americanos e europeus. "Além do sofrimento pessoal e profissional, o esgotamento coloca os trabalhadores em dificuldades e leva a um maior risco de problemas físicos e psicológicos, se ignorado", aponta o relatório.

 

O cortisol é uma hormona do stress, envolvida na resposta do organismo ao stress, e que afecta o ritmo diário do organismo. Segundo explicou, em comunicado, um dos autores do estudo, Juster Robert-Paul: "os níveis de cortisol são normalmente altos em pessoas que sofrem de depressão e baixos, em casos de esgotamento.

 

O stress crónico e o desequilíbrio nos níveis de cortisol podem ter um efeito “dominó” sobre a conexão dos sistemas biológicos, podendo conduzir ao aparecimento de diabetes e de doenças cardiovasculares. Neste primeiro estudo piloto que contou com 30 participantes de meia-idade, os voluntários foram submetidos diariamente a exames ao sangue que avaliaram a carga alostática. Os participantes também foram instruídos a recolher amostras de saliva em casa e no laboratório. Paralelamente completaram questionários sobre os seus actuais níveis de stress, sintomas de depressão e de esgotamento. "A questão do esgotamento é que, até agora, não tínhamos critérios de diagnóstico e não sabíamos estabelecer a diferença entre os limites que se sobrepõem com os sintomas de depressão, por isso é imprescindível a utilização de múltiplos métodos de análise", explicou o especialista.

 

No entanto, os investigadores reforçam que, no futuro, serão necessários mais estudos para determinar se este perfil de baixos níveis de cortisol e de desregulamentações fisiológicas são claras manifestações de cansaço. "Se assim for, a ciência terá dado um passo para prevenir a os episódios de esgotamento antes que eles ocorram", concluem.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 2Média: 3
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.