Neurolépticos e antidepressivos postos em causa no tratamento de demência

Estudos britânicos

21 julho 2011
  |  Partilhar:

Dois estudos distintos publicados em revistas médicas britânicas colocam em causa a utilização dos neurolépticos e antidepressivos no tratamento dos doentes de demência, foi revelado hoje numa conferência internacional, em Paris, sobre a doença de Alzheimer.

 

Sube Banerjee, do King´s College de Londres, autor em 2009 de um relatório sobre a utilização abusiva dos antipsicóticos (neurolépticos) na doença de Alzheimer, revela hoje que dois antidepressivos (os mais prescritos para doentes afectados de demência) não trazem benefícios, pelo contrário, provocam efeitos secundários.

 

Para este estudo, publicado em linha pela revista The Lancet, Banerjee recrutou pacientes britânicos com uma provável doença de Alzheimer e que sofriam de uma depressão, no total de uma centena.

 

Os mesmos foram repartidos em três grupos, dois dos quais medicados com um antidepressivo (sertralina ou mirtazepina) e o terceiro com um placebo (sem princípio activo).

 

Os investigadores não encontraram diferenças na redução da depressão ao fim de três meses de experiência nos diferentes grupos. Em contrapartida, os doentes medicados com um antidepressivo apresentaram desvantagens de efeitos secundários relativamente aos que tomaram o placebo.

 

“As duas classes de antidepressivos – os mais prescritos para a depressão derivada da doença de Alzheimer – não são mais eficientes do que um placebo”, concluem os investigadores citados no artigo.

 

“Os médicos deverão repensar o tratamento dos doentes com Alzheimer e reconsiderar os seus hábitos de prescrição de antidepressivos”, acrescentam.

 

Um outro estudo, publicado em paralelo pelo British Medical Jounal, demonstra, por seu turno, que os analgésicos como o paracetamol podem ter resultados mais positivos que os neurolépticos para aclamar a agitação dos doentes com demência.

 

A agitação e a agressividade são os sintomas mais frequentes das formas avançadas de demência, como a doença de Alzheimer. Os comportamentos perturbantes são tratados habitualmente com neurolépticos.

 

Este estudo foi elaborado por investigadores britânicos do King’s College e noruegueses num universo de 352 doentes noruegueses acometidos de doença moderada ou severa.

 

A maioria dos doentes sujeitos ao estudo continua a tomar a sua medicação normal, que inclui os neurolépticos e os antidepressivos. Os restantes estão a ser tratados, em 70 por cento dos casos, com paracetamol, 20 por cento com buprenorfina (um substituto químico da heroína) e os restantes 10 com analgésicos com base na morfina.

 

De acordo com o estudo, os investigadores verificaram uma “significativa redução” da agitação ao fim de oito semanas de tratamento no segundo grupo em relação ao primeiro.

 

Os cientistas sublinham que o alívio da dor, dificilmente exprimida pelos doentes de demência, pode ter um papel relevante no tratamento da agitação e permite reduzir a prescrição inútil de neurolépticos.

 

Num relatório enviado ao governo britânico em 2009, Banerjee indica que os médicos britânicos prescrevem todos os anos neurolépticos a 180 mil doentes com demência.

 

No mesmo ano, em França, a Alta Autoridade para a Saúde alertou contra uma prescrição excessiva e inadaptada destes medicamentos para a doença de Alzheimer.
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 1 Comentar

Prescrição de antidepressivos e neurolépticos em demências.

Os pacientes demenciados agitam-se quando tem dores, fome ou outros sentimentos corporais de mal-estar. É de uma insensatez crassa e/ou grande crueldade tentar "abafar" essa forma de mainifestação do sofrimento com neurolépticos! Não esquecer que a demência, em fases iniciais, não abole totalmente a crítica, e o que resta dela justifica, e de que maneira depressões reactivas ao seu estado de saúde, perda de estatuto social e, mesmo, quantas vezes, sentir-se abandonado num "depósito" á espera da morte!
Só mais uma palavrinha em relação à demência por "corpus de Lewis": NUNCA DÊEM NEUROLÉPTICOS A ESTES PACIENTES! AGRAVAM-LHES TANTO A DEPRESSÂO COMO A SINTOMATOLOGIA EXTRA-PIRAMIDAL! Prescrevam-lhes inibidores NÃO SELECTIVOS das colinestérases!
Chamo finalmente à atenção para o excelente capítulo de revisão da EMC (nº147, 3º. trimestre de 2011) - STRATÉGIES THERAPEUTIQUESDES TRUBLES PSYCHOCOMPORTAMENTAUX DANS LA DÉMENCE.

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.