Música com cor e sabor

Jovem é capaz de degustar e visualizar o que está a ouvir

11 julho 2005
  |  Partilhar:

Uma jovem suíça consegue ver cores ao ouvir uma música e é capaz de experimentar gostos que variam do amargo, a sabores mais específicos como o da relva recém-cortada ou do leite-creme sem gordura.
 

 

Neuropsicólogos da Universidade de Zurique ficaram tão intrigados com o caso da jovem E.S. - uma música profissional de 27 anos cujo nome completo é mantido em sigilo -, que decidiram avaliar num estudo que demorou um ano.
 

 

Da experiência, os cientistas concluíram que este era o caso mais extremo e jamais visto de sinestesia, no qual a música estimula uma resposta noutros órgãos sensoriais.
 

 

E.S. vê cores ao ouvir uma nota. Desta forma, ela vê a cor violeta ao ouvir um fá sustenido, enquanto, ao ouvir um dó, ela visualiza o vermelho. Mais notável ainda é a sua capacidade para distinguir sabores, de acordo com a nota que está a ouvir.
 

 

Um intervalo musical de segunda menor indu-la a sentir acidez, enquanto o de segunda maior deixa-lhe um gosto amargo na boca. A terça menor é salgada e a terça maior, doce. Outros sabores, de acordo com a nota, têm o gosto de «água pura», leite-creme (de alto e baixo teor de gordura, dependendo da nota), sensação de «repugnância» e até de relva recém-cortada.
 

 

Para realizar um teste objectivo, os cientistas aplicaram, uma a uma, soluções de sabores diferentes (ácido, amargo, salgado e doce) na sua língua e depois pediram à jovem para que pressionasse um botão do teclado de computador correspondente a cada nota. Ela respondeu com exactidão e foi mais rápida do que cinco músicos, recrutados para o mesmo teste e sem dons sinestésicos.
 

 

Segundo os investigadores, a «extraordinária» sinestesia de E.S. provavelmente impulsionou a sua carreira, sintonizando-a com a sonoridade apropriada. O estudo, realizado por cientistas da Universidade de Zurique, liderados por Lutz Jaencke, foi publicado na revista científica britânica Nature.
 

 

Traduzido e adaptado por:
 

Paula Pedro Martins
 

Jornalista
 

MNI-Médicos Na Internet
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.