Música alivia stress provocado pela respiração assistida

Estudo publicado na “Cochrane Library"

15 dezembro 2010
  |  Partilhar:

A música pode ajudar no relaxamento dos pacientes submetidos a respiração artificial por ventilação mecânica, minimizando as complicações de saúde, refere um estudo da Drexel University, na Filadélfia, EUA, publicado na “Cochrane Library ".

 

Frequentemente, a ventilação mecânica causa um sofrimento significativo e ansiedade nos pacientes. A sensação de falta de ar, a incapacidade de falar, o desconforto, o isolamento e o medo contribuem para altos níveis de ansiedade. Contudo, os medicamentos para reduzir a ansiedade podem conduzir a um internamento mais prolongado.

 

Segundo explicou, em comunicado de imprensa, Joke Bradt, líder do estudo, "com todos esses factores que fazem da ventilação mecânica uma experiência tão stressante, é reconfortante verificar que a música pode oferecer uma maneira de reduzir a ansiedade nestes doentes, sem provocar efeitos secundários."

 

Para o estudo, os investigadores analisaram dados de oito estudos que envolveram um total de 213 doentes. Os pacientes, que foram acometidos por várias doenças, incluindo pulmonar, cardíaca e lesões traumáticas, receberam ventilação mecânica pela boca, nariz ou traqueotomia.

 

Em sete estudos, os pacientes ouviram música pré-gravada e apenas num outro estudo os doentes recebiam a visita de um musicoterapeuta que tocava ao vivo com um ritmo adequado à frequência respiratória do paciente. Verificaram que, em média, ouvir música reduzia a ansiedade, em comparação com o tratamento padrão e também diminuía as taxas de frequência cardíaca e respiratória, mas não a pressão sanguínea. "Esses resultados parecem promissores, mas precisamos de mais testes para reforçar estas provas. Estamos também muito interessados em ver mais estudos sobre o efeito da música ao vivo fornecida por musicoterapeutas. No entanto, dado que oferecer música é um tratamento fácil de dar, recomendamos que se dê música como forma de controlar o stress em pacientes muito doentes ", disse Bradt.

 

Os autores observam que existe pouca informação sobre o tipo específico de música que produz efeitos benéficos. "Excepto para os estilos gerais mencionados, incluindo música clássica e a ligeira, a maioria dos estudos não menciona as músicas utilizadas. Em estudos futuros, um registo mais detalhado da música ajudará os médicos a tomarem as melhores decisões sobre as escolhas musicais ".

 

Nesse sentido, os investigadores recomendam que se consulte um musicoterapeuta para saber que tipo de música poderia ser melhor para cada paciente. Além disso, os musicoterapeutas precisam colaborar com as equipas médicas para controlar as respostas fisiológicas dos pacientes à música.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.