Musculação com supervisão é segura para grávidas

Estudo publicado no “Journal of Physical Activity and Health”

01 abril 2011
  |  Partilhar:

Muitos médicos ficam relutantes sobre a prática de musculação por mulheres grávidas, mas, de acordo com um estudo da Universidade da Geórgia, EUA, se praticada com intensidade baixa a moderada pode ser benéfica. O estudo foi publicado no “Journal of Physical Activity and Health”.

 

Para a análise, os cientistas, liderados por Patrick O'Connor, avaliaram os efeitos da progressão na quantidade de peso utilizada, as mudanças na pressão sanguínea e os potenciais efeitos secundários da prática da musculação em 32 mulheres grávidas, durante um período de 12 semanas. Após esse período, nenhuma das mulheres apresentou lesões músculo-esqueléticas.

 

"Os médicos muitas vezes têm sido relutantes em aconselhar a musculação, em parte, porque existia pouca prova científica da sua segurança e eficácia", disse, em comunicado de imprensa, Patrick O'Connor. Contudo, segundo reforçou o investigador, a prática pode ser indicada, desde que supervisionada por um instrutor em mulheres com uma gravidez de baixo risco.

 

De acordo com o estudo, após as 618 sessões de treino algumas grávidas apresentaram tonturas, cefaleia e dor pélvica, sendo que essa última pode estar relacionada às dores nas costas, das quais muitas mulheres se queixam durante a gravidez. “A única coisa que temos de ser cautelosos é sobre a tontura", afirma O'Connor, acrescentando que, contudo, os níveis de tontura diminuíram após os primeiros exercícios, quando as mulheres aprenderam a levantar pesos, mantendo as técnicas de respiração adequadas para o exercício.

 

No estudo, os cientistas também monitorizaram a pressão arterial. As grávidas, muitas vezes, experimentam uma pequena redução da pressão arterial imediatamente após um treino, mas os investigadores não encontraram qualquer mudança na pressão arterial das grávidas após cada sessão ou depois do programa de treino de 12 semanas. "Assim, o programa de treino de peso não foi nem bom nem mau para a pressão arterial", explicitou o autor do estudo.

 

Os cientistas destacam que a prática da musculação, com um programa de treino de intensidade baixa a moderada, supervisionado, é seguro e eficaz. No futuro a mesma equipa planeia estudar a eficácia da musculação na redução das dores nas costas das grávidas.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.