Mulheres que fogem à regra

Duas centenas de especialistas analisam papel das «Mulheres Más» no Porto

26 junho 2003
  |  Partilhar:

A importância de mulheres que fugiram aos padrões culturais dominantes em determinadas épocas, acabando rotuladas de más ou loucas, está em análise num congresso que reúne desde quinta-feira e ate amanhã, sábado, no Porto, mais de 200 especialistas.
 

 

O objectivo é estudar como ao longo da história e na cultura contemporânea as mulheres, quando não correspondem aos estereótipos que lhes são atribuídos, sobretudo pelos homens ou pela cultura dominante, tendem a ser identificadas como más ou transgressoras, explicou Teresa Toldy, da organização do I Congresso sobre «Mulheres Más».
 

 

«O nosso interesse são as mulheres que transgridem os padrões culturais dominantes, predominantemente masculinos, e que pelo facto de os transgredirem são tidas como más», frisou, referindo a sua intervenção que incidirá sobre o papel de uma das mais importantes figuras femininas dos evangelhos, Maria Madalena, «transformada» em prostituta redimida.
 

 

«Maria Madalena, ao contrário daquilo que tem sido a imagem comum, não era a prostituta referida nos evangelhos, mas sim uma das discípulas mais importantes de Jesus, na realidade, aquela que anunciou a sua ressurreição aos discípulos», explicou.
 

 

De acordo com algumas teses, citadas por Teresa Toldy, a sua «transformação» em prostituta redimida terá sido uma espécie de «vingança» contra o facto de ela ter assumido particular relevância no início do Cristianismo, tendo transgredido os papéis atribuídos, então, às mulheres.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.