Mudanças de pressão ao voar podem afectar os diabéticos que usam bombas

Estudo publicado na revista “Diabetes Care”

25 agosto 2011
  |  Partilhar:

As mudanças de pressão durante uma viagem de avião podem causar desvios nas bombas de insulina, levando-as a emitir muita ou pouca medicação, colocando em risco os diabéticos extremamente sensíveis a estas variações, de acordo com um estudo publicado na revista "Diabetes Care".

 

Uma equipa de especialistas liderada por Bruce King, do Hospital Infantil de John Hunter, em Newcastle, Austrália, escreveram, em comunicado de imprensa, que decidiram investigar o assunto depois de terem conhecimento de uma menina de 10 anos com diabetes tipo 1 que viu os seus níveis de glicose baixarem muito, uma hora após a descolagem numa viagem de avião.

 

Depois de ouvirem outros diabéticos que usaram bombas de insulina - que normalmente são usadas por pessoas com diabetes tipo 1 para administrar as doses de insulina durante todo o dia – e que tiveram experiências semelhantes, os investigadores colocaram 10 destes dispositivos num voo comercial.

 

Verificaram que, durante a descolagem, quando a pressão do ar diminuía, as bombas emitiram entre 1 e 1,4 unidades extra de insulina, em média. Durante a aterragem, quando a pressão aumentava, uma certa quantidade de insulina regressou às bombas, causando a emissão de pequenas quantidades da hormona, menos de uma unidade. "A redução da pressão atmosférica provoca a emissão previsível e involuntária de insulina nas bombas para a formação de bolhas e a expansão de bolhas existentes", explicaram os cientistas.

 

Deste modo, a equipa recomenda aos pacientes para que desliguem a bomba antes da descolagem e da aterragem e para que se assegurem que não há bolhas de ar na insulina antes de a ligarem novamente. Contudo, Cohen recomenda ser extremamente importante que as pessoas saibam como  actuar correctamente. Por isso, o investigador aconselha os pacientes a consultarem os seus médicos, perguntando se este procedimento poderia causar-lhes problemas e, em caso afirmativo, como devem lidar com segurança com o assunto.

 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.