Mosquito da malária: como impede coagulação do sangue do hospedeiro?

Estudo publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences”

09 janeiro 2013
  |  Partilhar:

Uma equipa de investigadores do Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC) da Universidade do Porto, descobriu o modo como os mosquitos do género Anopheles, que inclui o mosquito da malária, evitam a coagulação do sangue das vítimas. O estudo o publicado nos “Proceedings of the National Academy of Sciences” poderá assim ajudar no desenvolvimento de moléculas capazes de tratar problemas cardiovasculares que necessitem da administração de coagulantes.
 

A notícia, divulgada pelo sítio da Universidade do Porto, refere que a investigação de produtos naturais tem estado na mira da investigação farmacêutica como fonte de novos fármacos. Entre estes, encontram-se moléculas das glândulas salivares e do sistema digestivo que os animais hematófagos, ou seja que se alimentam de sangue, produzem para evitar a coagulação do sangue do hospedeiro, enquanto se alimentam e durante a digestão.
 

Neste estudo, os investigadores do IBMC perceberam de que forma a molécula anophelin, presente em todos os mosquitos do género Anopheles, se liga à trombina, uma enzima que tem um papel central na anticoagulação.
 

O líder do estudo, Pedro Pereira, referiu que esta molécula “é admiravelmente pequena e muito simples, sendo no entanto bastante eficaz”. Na verdade a anophelin é diferente de outras moléculas extraídas de outros animais hematófagos, como a carraça dos bovinos ou a sanguessuga terrestre indiana, as quais são quatro vezes maiores.
 

A primeira autora do estudo, Ana Figueiredo, explica que apesar de terem sempre o mesmo objetivo, impedir a coagulação, as características de cada molécula são muito específicas de cada grupo de animais e seguem estratégias diferentes”. A elegância na estratégia do mosquito da malária está no facto de as moléculas serem “muito pequenas e, portanto, mais fáceis de imitar por compostos concebidos artificialmente”.
 

A equipa, que também inclui investigadores espanhóis e franceses, identificou igualmente a porção da molécula essencial para a atividade anticoagulante. Desta forma, uma molécula isolada do perigoso vetor de uma doença potencialmente fatal poderá ser utilizada no desenvolvimento de fármacos sintéticos para a prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.