Moscas revelam segredos da memória
27 março 2002
  |  Partilhar:

As moscas podem ter informações importantes sobre os mistérios do cérebro humano. Uma equipa de cientistas norte-americana conseguiu aumentar a memória de moscas. A experiência, que consistiu em treinar as moscas a evitar um determinado cheiro, pode fornecer mais informações sobre o funcionamento da memória humana.
 

 

Os insectos foram submetidos a choques, cada vez que se aproximavam de uma fruta que exalava um determinado odor. Apesar de terem conseguido armazenar os odores relativamente bem, as moscas tendiam a esquecê-los passada uma semana.
 

 

Apenas o grupo de insectos que recebeu doses de PKC - uma proteína que, segundo os cientistas, pode fortalecer as conexões entre os neurónios no cérebro humano - se manteve afastado do odor por mais tempo.
 

 

A tese mais frequentemente relatada pelos cientistas refere que todos os seres (animais e humanos) possuem um funcionamento de memória bastante semelhante.
 

 

A conclusão deste estudo, publicada na revista Nature , cita investigações anteriores, segundo as quais determinadas substâncias químicas poderiam estimular as ligações entre neurónios, denominadas sinapses.
 

 

A equipe, do Laboratório de Cold Spring, em Nova Iorque, acredita que as proteínas como a PKC, utilizadas nas experiências, possam estimular o armazenamento de informações específicas.
 

 

 

"A noção de que a PKC está ligada à memória não é nova, mas o facto desta equipe ter demonstrado que aumentar artificialmente os níveis da substância pode estimular e melhorar a memória é muito interessante", declarou Seth Grant, especialista em memória molecular e mecanismos de aprendizagem da Universidade de Edimburgo, em entrevista à BBConline.
 

 

Um dos objectivos da neurologia molecular é encontrar drogas que estimulem a memória. Essas substâncias poderiam ajudar em casos de crianças com dificuldades de aprendizagem e no tratamento de idosos ou de vítimas de doenças degenerativas que perdem a memória.
 

 

No entanto, Grant advertiu que os efeitos da PKC não são suficientemente conhecidos e que a substância já foi associada ao desenvolvimento de alguns tipos de cancro.
 

 

Paula Pedro Martins
 

MNI-Médicos Na Internet
 

 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.