Morte no parto é «epidemia invisível»

Falta de assistência leva à morte de uma mulher por minuto

05 outubro 2004
  |  Partilhar:

A falta de assistência médica durante o parto provoca a morte de uma mulher por minuto em países em desenvolvimento, alertou a Organização Mundial de Saúde, que reclama maior atenção para a formação e melhoria da saúde reprodutiva.A OMS calcula que mais de meio milhão de mulheres morrem nos países em desenvolvimento por complicações na altura do parto, situação que podia evitar-se com poucos recursos. O problema da mortalidade materna foi tema principal da reunião que a OMS promoveu recentemente em Nairobi, capital do Quénia, em que participaram responsáveis da área da saúde de vários países em desenvolvimento.O número exacto de mortes não é conhecido porque pelo menos 62 países não têm qualquer tipo de controlo, o que torna esta situação numa «epidemia invisível», afirmou uma das responsáveis da área de saúde reprodutiva da OMS, Joy Phumaphi. Os especialistas da organização calculam que metade das mortes ocorridas na altura do parto não se contabilizam correctamente, ou, simplesmente, não são sequer tidas em conta em muitos países em desenvolvimento.Cerca de 25 por cento destas mortes ocorrem devido a hemorragias e podiam ser evitadas se as mulheres fossem transportadas para centros médicos para receberem transfusões de sangue num prazo máximo de duas horas.Segundo a OMS, 15 por cento das mulheres morrem devido a infecções que podem combater-se com antibióticos, 13 por cento na sequência de abortos praticados sem quaisquer condições, 12 por cento por convulsões e oito por cento devido a obstruções que impedem o nascimento.Os especialistas da organização consideram que com 10 milhões de dólares (8,1 milhões de euros) podia formar-se pessoal em 20 países e reduzir, assim, este tipo de mortalidade.Segundo dados das Nações Unidas, em cada 100 mil mulheres que dão à luz nos países desenvolvidos apenas 20 morrem, enquanto nos países em desenvolvimento o número de vítimas é de 440, tendo como resultado uma média mundial de 400 mortes.Fonte: Lusa

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.