Mortalidade prevenível antes do 65 anos ainda é significativa
27 março 2002
  |  Partilhar:

A mortalidade prevenível antes dos 65 anos continua a ser significativa em Portugal, onde as doenças cardiovasculares e o cancro figuram entre as principais causas de morte e o sistema de saúde público falha por ser "centralista".
 

 

O quadro é traçado pelo Alto Comissário da Saúde, José Pereira Miguel, num relatório ao qual a Agência Lusa teve acesso e que procura fazer um balanço dos ganhos em Saúde registados nos últimos cinco anos.
 

 

De positivo, no documento intitulado "Ganhos de Saúde em Portugal - Ponto da Situação" e que é hoje apresentado, destaca-se a melhoria nos cuidados materno-infantis e a redução da mortalidade infantil, que passou de 6,9 por 1000 nados-vivos em 1996, para 5,6 em 2000 e permite ao país ocupar uma "posição cimeira na União Europeia".
 

 

Porém, nota o também director-geral da Saúde, se "existiram ganhos em saúde, concretos e mensuráveis nos últimos cinco anos", subsistem "problemas sérios que ainda têm de ser corrigidos".
 

 

Entre estes, a organização do Serviço Nacional de Saúde, que "continua a ser um sistema essencialmente centralista, com uma administração pouco moderna, com formas de financiamento divorciadas dos níveis de desempenho e com limitada capacidade de coordenação a nível local".
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.