Molho inglês potencialmente cancerígeno

Procuradoria divulga marcas «perigosas»

24 fevereiro 2005
  |  Partilhar:

 

 

 

 

A Procuradoria-Geral da República (PGR) anunciou ontem, quarta-feira, que o molho inglês apreendido em Portugal _ por ser potencialmente cancerígeno _ foi comercializado pelas marcas «Makro» e «Ferbar».
 

Em comunicado, a PGR diz ter recebido ontem a informação do nome das marcas que comercializaram o molho apreendido e ressalva que os resultados dos exames é que vão permitir apurar se o material apreendido contém substâncias prejudiciais à saúde.
 

 

A apreensão do lote de «Worcester Sauce W3», vulgarmente conhecido por molho inglês, deu origem à instauração terça-feira de um inquérito crime por se suspeitar que contivesse alguma substância prejudicial à saúde.
 

 

Na última sexta-feira, a agência de segurança alimentar britânica (FSA) retirou do mercado 359 produtos alimentares contendo um corante potencialmente cancerígeno, o Sudan 1.
 

 

Por sua vez, as autoridades portuguesas anunciaram terça-feira ter retirado do mercado todas as embalagens com um molho potencialmente cancerígeno importado do Reino Unido.
 

 

Uma empresa das Caldas da Rainha recebia esse produto, comercializado como molho inglês, que reembalava para outros fornecedores, disse à Agência Lusa o director-geral de Fiscalização e Controlo da Qualidade Alimentar, António Ramos.
 

 

Nesta empresa das Caldas da Rainha foram apreendidos 16.800 litros do molho inglês. O caso foi entregue ao Tribunal Judicial das Caldas da Rainha e a Direcção-Geral de Fiscalização e Controlo da Qualidade Alimentar aguarda uma decisão do Ministério Público para saber o que fazer ao produto.
 

 

As autoridades portuguesas tomaram conhecimento desta situação na sexta-feira, através de uma rede de alerta europeia para a segurança alimentar.
 

A autoridade alimentar britânica alertou os consumidores que tenham em casa este tipo de produtos para não os utilizarem.
 

 

Um lote de pimenta em pó com o colorante Sudan 1, um produto de uso proibido no fabrico de alimentos na União Europeia, foi usado no fabrico do molho agora retirado do mercado. O Sudan 1 é normalmente utilizado para dar cor vermelha aos solventes, cera ou graxa e, segundo António Ramos, usado nalguns países orientais para dar mais cor às especiarias.
 

Os 359 produtos alimentares retirados do mercado britânico são habitualmente comercializados por cadeias de supermercados no Reino Unido, como a Asda, Waitrose, Tesco, Marks and Spencer e Sainburys, e contêm um molho produzido pela sociedade Premier Foods, denominado Crosse and Blackwell Worcester Sauce.
 

 

Nos 359 produtos apreendidos pelas autoridades britânicas incluem-se empadas, pizzas, coxas de frango, salsichas ou «chili» com carne. Entre as marcas, além dos «produtos brancos» de várias cadeias de supermercados, encontram-se a Unilever, Heinz ou McDonalds.
 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.