Metade dos portugueses vê mal...

... e não encontra resposta no Serviço Nacional Saúde

30 março 2005
  |  Partilhar:

 

 

 

Metade da população portuguesa vê mal e são cada vez mais os que precisam e não têm cuidados oftalmológicos no Serviço Nacional de Saúde, segundo o Programa Nacional para a Saúde da Visão. O Programa foi aprovado em Janeiro último e está a ser distribuído pela Direcção Geral da Saúde (DGS) às Administrações Regionais de Saúde e serviços prestadores de cuidados de saúde.
 

 

Segundo o documento, «as necessidades não satisfeitas em cuidados oftalmológicos têm aumentado em Portugal», apesar da «evolução da técnica em geral e das ciências médicas em particular» permitirem «evitar, em elevado número de pessoas, não apenas a diminuição da acuidade visual, como também a cegueira».
 

 

No Programa é traçado um diagnóstico à visão dos portugueses, baseado em vários estudos que estimam que «cerca de metade da população sofra de alterações da visão, desde a diminuição da acuidade visual até à cegueira». Outro dado indica que um quinto das crianças e metade da população adulta portuguesa sofrem de erros refractivos (miopia, hipermetropia e astigmatismo) significativos. Os estudos revelaram que cerca de metade das pessoas com cegueira está em plena idade produtiva.
 

 

Mais de um terço dos diabéticos nunca foi examinado ou não é examinado regularmente por um oftalmologista e há perto de 15 mil diabéticos em risco de cegar por retinopatia e maculopatia diabéticas. A maioria destes casos, segundo o documento, poderia ser prevenida ou tratada através de tratamentos específicos.
 

 

Os estudos consultados para o Programa Nacional para a Saúde da Visão indicam que as doenças da córnea (uma membrana espessa e transparente situada na parte anterior do olho) são responsáveis por cerca de 210 mil casos de diminuição da visão e por cerca 1.300 casos de cegueira. Apontam ainda que cerca de 170 mil pessoas sofrem de catarata, sendo que seis em cada dez pessoas com mais de 60 anos apresentam sinais desta doença. Por seu lado, cerca de 200 mil pessoas apresentam hipertensão ocular, das quais um terço sofre de glaucoma, enquanto perto de seis mil pessoas sofrem de cegueira irreversível por glaucoma. Cerca de 300 mil pessoas sofrerão de ambliopia e estrabismo.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.