Mercúrio do peixe aumenta riscos cardíacos

Concentração deste metal pode ser perigosa, revela estudo

28 novembro 2002
  |  Partilhar:

A taxa de mercúrio no organismo está directamente associada ao risco de doença cardíaca, indica um estudo internacional que defende a limitação do consumo de certos peixes em que a concentração deste metal pode ser perigosa.
 

 

Este estudo, conduzido junto de centenas de pessoas em oito países europeus e em Israel, determina que os níveis de mercúrio encontrados no peixe anulam os efeitos dos ácidos gordos que resultam do seu consumo.
 

 

O estudo foi conduzido em 684 homens que foram vítimas de enfartes do miocárdio. Estes resultados foram comparados com 724 homens dos mesmos países, mas que não tinham sido vítimas de acidentes cardíacos.
 

 

Os resultados demonstram que os níveis de mercúrio encontrados entre os doentes que tinham sofrido um enfarte eram 15 por cento superiores aos níveis detectados nas pessoas sem problemas cardíacos.
 

 

"Os nossos resultados sugerem que o mercúrio que existe no peixe poderá, em alguns casos, anular o benefício dos ácidos gordos também presentes no peixe", explicou Eliseo Guallar, da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins, que dirigiu os trabalhos.
 

 

Os resultados desta investigação vão ser publicados na edição de quinta-feira da revista norte-americana "The New England Journal of Medicine".
 

 

O mercúrio existe sob várias formas na natureza mas o peixe é a principal forma de exposição do homem ao metilmercúrio, presente de forma relativamente elevada no peixe-espada, robalo, cavala, tubarão e em certos peixes de zonas contaminadas.
 

 

O atum e a dourada possuem contaminações inferiores em mercúrio, segundo os especialistas.
 

Os autores do estudo utilizaram pedaços de unhas dos participantes para medir a sua exposição ao mercúrio, e os tecidos adiposos para determinar os níveis de ácidos gordos provenientes do peixe no seu organismo.
 

 

Em seguida, relacionaram os níveis de mercúrio e ácidos gordos com os riscos de ataques cardíacos. O mercúrio foi directamente associado ao risco de acidente cardíaco e os ácidos gordos à redução do risco, tendo os dois efeitos a tendência para se anularem.
 

 

"A exposição ao metilmercúrio já era uma preocupação em certos grupos de risco como as grávidas, mas este cuidado deve talvez ser alargado à população em geral", afirmam os investigadores.
 

 

No entanto, a recomendação dos cientistas não é que as pessoas parem de comer peixe.
 

"O consumo de peixes variados, duas a quatro vezes por semana, colocando a tónica nos peixes gordos com um baixo nível de mercúrio, como o salmão, permitiria reduzir os riscos cardiovasculares", explicou Guallar.
 

O estudo foi financiado pela Comissão Europeia e fundos para a investigação britânicos, holandeses, espanhóis, alemães, noruegueses, russos, suíços e israelitas.
 

 

Fonte: Lusa
 

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.