Memórias de longo prazo apagadas em ratinhos

Estudo publicado na “Science”

19 agosto 2007
  |  Partilhar:

 

Num estudo publicado na revista “Science”, uma equipa de cientistas dá conta de ter conseguido “apagar” memórias de longo prazo em ratinhos sem lhes danificar o cérebro.
 

 

O estudo, efectuado por uma equipa de cientistas dos EUA e Israel, refere que as memórias de longo prazo não são tão seguras quanto se pensava e não estabilizam por amadurecimento a partir das memórias de curto prazo. "A memória pode ser apagada se aplicarmos um fármaco numa dada zona do cérebro que armazena essa memória", explica o cientista israelita Yadin Dudai, um dos autores do estudo.
 

 

Nas experiências foi injectada uma substância nos cérebros dos ratinhos que lhes bloqueou a proteína “kinase Mzeta” (PKMzeta). Esta proteína controla o fluxo de informação entre as células cerebrais implicadas na memória.
 

 

Os ratinhos, que tinham sido treinados a associar a sacarina, que lhes era administrada, com mau sabor e má disposição, perderam a memória de tal associação depois de terem sido injectados com a substância. Isto indica, segundo Yadin Dudai, que no cérebro funciona um mecanismo-chave para armazenarmos a memória de longo prazo. Assim que o mecanismo pára, a memória fecha-se.
 

 

De acordo com o mesmo investigador, o estudo corresponde a uma fase experimental e invasiva, não podendo ser feito em seres humanos, abrindo, no entanto, portas para a compreensão de como armazenamos memórias.
 

 

Fontes: JN e Imprensa Internacional
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.