Memória pode ser afetada por infeções virais

Estudo publicado na revista “Neurology”

01 abril 2013
  |  Partilhar:

O vírus causador do herpes labial, assim como as infeções provocadas por outros patogénios, pode estar associado ao desenvolvimento de problemas cognitivos, dá conta um estudo publicado na revista “Neurology”.
 

Os investigadores da Columbia University Medical Center, nos EUA, constataram que as pessoas que têm níveis mais elevados de infeção no sangue, o que significa que estiveram ao longo dos anos expostas a vários patogénios como o vírus do herpes simplex do tipo 1, apresentam um maior risco de desenvolveram problemas cognitivos, comparativamente aos indivíduos com níveis mais baixos de infeção.
 

“Verificámos que este risco era maior entre as mulheres, em indivíduos com níveis de educação mais baixos, sem seguro de saúde e predominantemente nas pessoas que não praticam exercício físico”, revelou, em comunicado de imprensa a autora do estudo, Mira Katan.
 

Neste estudo, os investigadores avaliaram a capacidade de raciocínio e de memória de 1.625 indivíduos que tinham, em média, 69 anos de idade. Os participantes forneceram amostras de sangue que foram testadas para averiguar a presença de três vírus: herpes simplex tipo 1, do tipo 2 e citomegalovírus; Chlamydia pneumoniae, uma bactéria causadora de infeções respiratórias e Helicobacter pylori, uma bactéria que pode ser encontrada no estômago.
 

O estudo apurou que os indivíduos que apresentavam níveis mais elevados de infeção tinham um risco 25% maior de obter uma baixa pontuação num teste cognitivo conhecido por “Mini Exame do Estado Mental”. Quanto mais elevados eram os níveis de infeção, mais baixos eram os resultados obtidos no teste cognitivo.
 

“Apesar de esta associação ainda necessitar de mais investigação, estes resultados poderão ajudar no desenvolvimento de ferramentas capazes de identificar as pessoas que apresentam um risco de desenvolver problemas cognitivos e eventualmente diminuir esse risco”, revelou a investigadora. Mira Katan acrescenta que a prática de exercício físico e vacinação das crianças poderá ser uma forma de diminuir o risco de problemas de memória que poderão surgir numa idade mais avançada.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Ainda não foi classificado
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.