Melanoma: nova abordagem de tratamento muito promissora

Estudo publicado na revista “Cancer Discovery”

03 abril 2018
  |  Partilhar:
A alteração da calendarização do tratamento para o melanoma pode melhorar os resultados do mesmo, promovendo respostas mais completes em ratinhos com a doença, indicou um novo estudo.
 
O melanoma é um cancro na pele particularmente traiçoeiro e responsável pela grande maioria das mortes por cancro da pele. É igualmente um dos cancros mais comuns nos indivíduos com menos de 30 anos de idade.
 
Os tratamentos direcionados para o melanoma em estado avançado, ou seja, com fármacos que interferem com a divisão e crescimento das células cancerígenas, atuado sobre moléculas-chave, têm tido algum sucesso, especialmente se se usar uma combinação de múltiplos fármacos.
 
No entanto, apesar da melhoria dos resultados com esta abordagem terapêutica, as células cancerígenas remanescentes podem causar resistência aos fármacos.
 
Conduzido por Andrew Aplin e equipa, do Centro de Oncologia Sidney Kimmel da Universidade Thomas Jeffferson, EUA, este estudo procurou otimizar as combinações e a calendarização dos tratamentos direcionados para melhorar a redução tumoral e minimizar a toxicidade em ratinhos com melanoma.
 
A equipa testou a combinação de um inibidor da via MEK com o palbociclib, um inibidor das vias CDK4/6, usado no cancro da mama e atualmente em ensaios clínicos para uso no melanoma.
 
Administrados de forma intermitente, deu-se crescimento tumoral após uma semana sem os fármacos, e resistência nos tumores cerca de oito semanas depois. No entanto, a administração contínua de um dos fármacos, e intermitente de outro, fez com que os tumores diminuíssem e se mantivessem pequenos, independentemente do fármaco administrado de forma contínua.
 
Mais, com a inibição contínua da MEK, os investigadores observaram que os tumores se mantinham constantemente pequenos, tendo alguns inclusivamente diminuído até ficarem indetetáveis. Por outro lado, a inibição contínua das vias CDK4/6 revelou alguma toxicidade não observada com outras calendarizações.
 
Como conclusão, a combinação do inibidor da MEK, administrado de forma contínua, com o inibidor das CDK4/6, dado de forma intermitente, revelou ser a calendarização mais eficaz em ratinhos.
 
Finalmente, a equipa descobriu que a administração de um inibidor da mTOR, juntamente com o tratamento otimizado do melanoma, combateu a resistência tumoral. 
 
ALERT Life Sciences Computing, S.A. 
Partilhar:
Comentários 0 Comentar