Melanoma: fármaco experimental mostra-se eficaz

Estudo publicado na revista “EBioMedicine”

12 setembro 2016
  |  Partilhar:

Um fármaco anticancerígeno experimental mostrou-se eficaz na batalha contra o melanoma, bem como contra outro tipo de cancros, revela um estudo publicado na revista “EBioMedicine”.
 

Até à data, a comunidade científica ainda não sabia ao certo como o fármaco pevonedistat, que está já a ser testado em seres humanos, era capaz de matar as células cancerígenas. Neste estudo, os investigadores da Universidade da Virgínia, nos EUA, constataram que o fármaco atua numa proteína que o melanoma e outros tipos de cancro necessitam para se replicarem rapidamente. Ao impedir o acesso a este ingrediente essencial, os profissionais de saúde poderão ser capazes de parar o melanoma e outras formas da doença.
 

A proteína bloqueada pelo pevonedistat é codificada pelo gene CDT2 e desempenha um papel muito importante na sobrevivência das células cancerígenas malignas. Na sua ausência, as células deixam de se replicar e começam a morrer.
 

Tarek Abbas, o líder do estudo, refere que agora sabem ao certo como o fármaco funciona. “Acreditamos que o fármaco funciona não porque atinge o seu alvo, mas porque afeta uma via a jusante da proteína CDT2”, referiu, em comunicado de imprensa, o investigador.
 

As células do melanoma produzem quantidades excessivas da proteína, e os pacientes com níveis elevados de CDT2 apresentam uma menor probabilidade de sobreviverem. O cientista explica que estes tumores, e não necessariamente apenas o melanoma, estão dependentes deste gene, o que os torna muito suscetíveis ao fármaco. Aliás, o estudo demonstrou que as células do melanoma que apresentam níveis de expressão elevados de CDT2 são muito mais suscetíveis aos efeitos do fármaco.
 

A proteína CDT2 também se encontra em níveis elevados em vários tumores, incluindo tumores do cérebro, da mama e fígado. No futuro os médicos poderão utilizar os níveis desta proteína para avaliar o prognóstico da doença.
 

A segurança e a eficácia do pevonedistat nos seres humanos ainda estão a ser testadas, não estando, por isso, disponível como tratamento. Contudo, Tarek Abbas refere que há esperança que este fármaco tenha um impacto bastante significativo no melanoma em geral.
 

Na verdade, o pevonedistat mostrou ser bastante eficaz em todos os melanomas, mesmo naqueles para os quais ainda não existe tratamento. Verificou-se que o fármaco é capaz de funcionar no melanoma resistente ao tratamento, que é um dos principais desafios da terapia contra o melanoma.
 

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

Partilhar:
Classificações: 1 Média: 4
Comentários 0 Comentar

Comente este artigo

CAPTCHA
This question is for testing whether you are a human visitor and to prevent automated spam submissions.
Incorrecto. Tente de novo.
Escreva as palavras que vê na imagem acima. Digite os números que ouviu.